Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

Autarca de Évora (PS) contra suspensão de obras no novo lanço do IP2

19.09.12 | barak

O autarca de Évora, José Ernesto Oliveira, manifestou-se hoje "preocupado" e prometeu o "mais veemente protesto" contra a decisão de suspender a construção do IP2 entre o Monte dos Pinheiros e o Ramal de S. Manços.

 

"A ser suspensa toda a intervenção nesse troço, fica ali [a obra] parada e, além do dinheiro que já está gasto, é uma obra essencial para continuar a melhoria da segurança do percurso", frisou o presidente do município de Évora.

Em declarações à Agência Lusa, José Ernesto Oliveira (PS) reagia ao anúncio de que a Estradas de Portugal (EP) alcançou um acordo com a Estradas da Planície (SPER) para a revisão do contrato da concessão rodoviária do Baixo Alentejo.

O acordo, segundo divulgou a EP, na terça-feira, vai permitir uma poupança para o Estado de 338 milhões de euros naquela subconcessão.

A poupança é gerada através de alterações na concessão rodoviária. A Évora, por exemplo, diz respeito a suspensão da construção do lanço do Itinerário Principal 2 (IP2) entre os nós de Monte dos Pinheiros e do Ramal de S. Manços.

A avançar esta suspensão, "merece o mais veemente protesto" do município de Évora, assegurou José Ernesto Oliveira.

O presidente da câmara lamentou também que a autarquia não tenha sido informada sobre o acordo e anunciou que vai solicitar esclarecimentos à EP e ao Governo.

"Estávamos à espera de uma melhoria significativa" nas condições de circulação daquela via rodoviária, cujo projeto pretende ligar o nó de S. Manços ao nó da Azaruja, perto do acesso à A6, para retirar trânsito do interior da cidade de Évora, disse.

Nesse contexto, a ligação entre o Monte dos Pinheiros, a poucos quilómetros da cidade, e o Ramal de S. Manços seria "uma via essencial" para a qualificação de todo o percurso, sublinhou.

No terreno, na zona em que foi decidida a suspensão dos trabalhos, segundo o autarca, "50 por cento da obra talvez esteja feita".

"Estão dois viadutos, estão passagens inferiores para ribeiras e leitos de águas que têm de fluir e a plataforma da estrada está praticamente totalmente definida", indicou.

Tudo porque, insistiu, "estava prevista a construção de uma estrada nova", respeitante ao novo lanço do IP2.

"Agora, estão a dizer que vão suspender essas obras" e "fico naturalmente preocupado porque dá a impressão que vai ficar a estrada velha ainda em uso, o que é perigoso", dado o "movimento enorme" da circulação automóvel nessa via, argumentou o autarca.