Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

Lusitano de Évora comemora hoje 100 anos

11.11.11 | barak

Por Filipa Reis

O Lusitano Ginásio Clube comemora hoje cem anos de uma vida cheia de altos e baixos e que, de momento, está no fundo do poço. 

O emblema eborense já participou em todas as provas nacionais, esteve 14 anos no principal escalão, onde alcançou um 5.º lugar (1956/1957), e chegou às meias-finais da Taça de Portugal (1958/1959). Actualmente, por força da crise financeira e desportiva que dele tomou conta, a equipa sénior de futebol foi suspensa e as melhores previsões apontam para que seja reactivada apenas dentro de três ou quatro anos. 

Manuel Porta, actual presidente, não consegue disfarçar o desalento e o pouco optimismo quanto ao futuro, recuperando o que levou o clube a cair neste buraco: 
- O início do descalabro tem a ver com o estágio da Selecção Nacional em Évora, em 2006. A Direcção em funções deixou-se influenciar e fez tudo para vender os terrenos do Campo da Estrela a troco do Complexo Desportivo da Silveirinha, que mais não tem que um relvado, um balneário e uma bancada com pouca qualidade... 

Assim que a Selecção deixou a cidade, as obras pararam. Até hoje. O dirigente explica porquê: 
- Deve-se à morosidade na aprovação pela Câmara Municipal da alteração do uso dos terrenos e ao acordo da anterior Direcção com a empresa responsável pelas obras, que só continuaria a empreitada quando pudesse construir no Campo Estrela. 

Monumento histórico
A mágoa dos adeptos, que se desmotivaram por terem de percorrer mais de três quilómetros até ao Complexo da Silveirinha, é a perda do Campo Estrela. 
«É um monumento histórico, é onde o clube se fez grande e tornou a ser pequeno. Foi construído com granito da região, a sua durabilidade é eterna...», nota Manuel Porta. 
Neste momento o clube não tem património e as dívidas ascendem a 900 mil euros. A falta de receitas e apoios levam o presidente a traçar um futuro muito negro.
«A anterior Direcção gastou todo o dinheiro que recebeu dos terrenos em despesas correntes. Não sei se vamos aguentar o barco até ao fim. O Lusitano caminha mais para a extinção do que para a viabilização», lamenta.

Hoje há jantar comemorativoPara celebrar o centenário realiza-se hoje uma missa em memória dos sócios e dirigentes falecidos e será depositada uma coroa de flores nos cemitérios. Previsto está ainda um jantar para sócios e dirigentes. Dia 26 há uma sessão solene com as entidades mais representativas da cidade.