Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

Évora: Diocese acolhe mosteiro das «Monjas de Belém» em Portugal

29.06.11 | barak

Ordem contemplativa francesa, com cerca de 600 religiosas em todo o mundo, estava apenas instalada na região da Serra da Arrábida, em Setúbal

Évora, 29 jun 2011 (Ecclesia) – A diocese de Évora vai acolher o segundo mosteiro em Portugal da Família Monástica de Belém, da Assunção da Virgem e de São Bruno, ordem contemplativa francesa mais conhecida por “Monjas de Belém”.

“É sem dúvida um momento alto para nós, já que teremos aqui um conjunto de pessoas que privilegiam a relação e a intimidade com Deus e será como que um motor que irá alimentar toda a nossa ação pastoral”, sublinhou o arcebispo D. José Alves, em entrevista concedida esta terça-feira à Agência ECCLESIA.

Trata-se de uma congregação religiosa nascida nos Alpes Franceses em 1950, e que se destaca sobretudo pelo seu caráter profundamente eremita.

As irmãs, que já são mais de 600 em todo o mundo, vivem em profundo recolhimento e dedicam a maior parte do seu tempo à oração.

“São pessoas que descobriram Deus no silêncio e na intimidade e que constituem para os outros um exemplo de felicidade, que se torna depois contagiante para o exterior, no ambiente social e nas comunidades cristãs”, lembrou com entusiasmo, o prelado eborense.

O novo mosteiro terá capacidade para cerca de 30 elementos e vai ser construído num terreno situado na paróquia do Couço, em Montemor-o-Novo.

A primeira pedra do projeto, que começou a ser pensado há cerca de três anos, já foi lançada no último sábado, depois dos trabalhos terem tido o aval das autoridades civis.

Até agora, as Monjas de Belém estavam apenas estabelecidas na diocese de Setúbal, mais concretamente no Mosteiro de Nossa Senhora Vestida do Sol, na Quinta de Calhariz, situada na Serra da Arrábida.

Devido a estarem numa zona considerada como “reserva ecológica e ambiental”, as religiosas ainda não tinham conseguido concretizar no nosso país o objetivo de construir uma habitação adequada ao seu modelo de Ordem.

JCP