Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

CP: Beja perde ligação directa a Lisboa, Évora perde conforto

14.01.11 | barak

Quando a linha do Alentejo for reaberta à circulação ferroviária - após um período de obras previsto de 12 meses, que teve início em Maio do ano passado - a CP vai alterar por completo a oferta que ali prestava, passando a realizar cinco ligações directas nos dois sentidos entre Lisboa e Évora e nenhum comboio directo para Beja.

Até Maio do ano passado havia três ligações do serviço Intercidades em cada sentido entre Lisboa e Évora e duas ligações, também em cada sentido, entre a capital portuguesa e Beja. Mas estes dois serviços de longo curso eram os que mais prejuízo implicavam para a CP, porque nunca chegaram a alcançar uma quota de mercado que pagasse uma pequena parte dos custos de exploração.

Um dos problemas era que as composições (de apenas duas ou três carruagens) eram rebocadas por pesadas e dispendiosas locomotivas a diesel. As obras que a Refer entretanto está a levar a cabo na linha do Alentejo vão deixar o percurso até Évora totalmente electrificado, mas a linha para Beja ficou à margem dessa modernização. E como a tracção eléctrica é mais barata do que a diesel, a CP vai oferecer agora dez ligações diárias entre Lisboa e Évora (cinco em cada sentido), as quais terão correspondência na estação de Casa Branca para a linha de Beja.

José Benoliel, presidente da CP, explicou ao PÚBLICO que nos cerca de 200 quilómetros que distam entre Lisboa e Beja, só 63 não são electrificados, não sendo, por isso, racionalmente económico manter comboios a diesel a gastar combustível debaixo da catenária quando a linha é maioritariamente electrificada.

Daí a opção por se colocar uma automotora a fazer de vaivém entre Beja e Casa Branca, dando correspondência às dez ligações Intercidades entre Évora e Lisboa.

Automotoras mais lentas

Mas o próprio serviço para Évora sofrerá também uma redução em termos de conforto e comodidade. Em vez de carruagens Intercidades rebocadas por uma máquina eléctrica, a CP optou por uma solução mais barata, com recurso a automotoras eléctricas modernizadas. Esse material já circulava na linha da Azambuja nos anos de 1970, mas foi submetido a uma modernização. Hoje, esse material tem um visual exterior moderno, assente numa estrutura já envelhecida. E vai ser com estas automotoras, menos confortáveis e menos rápidas, que o serviço de longo curso será assegurado entre Lisboa e Évora.

Mais algumas ligações, em piores condições

O que ganham e perdem Évora e Beja quando o serviço de longo curso da CP para o Alentejo for retomado? Évora ganha mais duas ligações directas para Lisboa em cada sentido (cinco, em vez das três que tinha anteriormente), ganha maior fiabilidade e rapidez no serviço devido à tracção eléctrica e perde conforto porque os comboios Intercidades serão trocados por automotoras (menos cómodas e mais barulhentas).

Os potenciais clientes deste transporte que saiam ou tenham como destino Beja ganham a possibilidade de ter cinco ligações a Lisboa por dia, mas perdem os comboios directos para a capital devido aos transbordos obrigatórios em Casa Branca.

Além disso, perdem qualidade no serviço (ligação não directa e feita por automotoras antigas que foram modernizadas).

Abre linha, fecha linha, abre linha...

A modernização do troço Bombel-Casa Branca representa um investimento de 48,4 milhões de euros da Refer e insere-se na construção do eixo Sines-Badajoz. Será a partir daqui que esta linha vai entroncar no futuro traçado do TGV. Os trabalhos deviam acabar a 1 de Maio, mas há quatro anos, em 2006, a Refer tinha fechado a linha para Évora durante nove meses para obras de reabilitação, que, contudo, ficaram incompletas. Só agora a electricidade chegará à linha que serve Évora.

Partidos e utentes contra fim do serviço Intercidades

O descontentamento com a possibilidade do fim do serviço Intercidades que liga Lisboa a Évora e a Beja já chegou à Assembleia da República. Hoje é votado um projecto de resolução apresentado pelo PCP que defende a manutenção do serviço e reclama a sua requalificação, em termos de conforto e de oferta horária."Sobretudo com uma linha requalificada e agora electrificada [estão a decorrer obras com conclusão prevista para Maio] não faz sentido que o serviço se reduza, faz sentido é que o serviço seja melhorado", disse ao PÚBLICO o deputado comunista João Oliveira, que cita o relatório anual de actividades da CP em que se refere que os comboios Intercidades serão substituídos por automotoras modernizadas - o que, aos olhos do partido, significa "uma degradação da qualidade do serviço".

O projecto foi apresentado anteontem, juntamente com uma petição promovida por utentes diários daquela linha e que recolheu 4433 assinaturas. A petição reivindica o não encerramento dos 200 km da linha para as obras que estão a decorrer em apenas 32 km e a manutenção do Intercidades entre Lisboa e Évora.

Os socialistas não estão preocupados com o fim deste serviço "que se chama Intercidades mas tem características de urbano": "Mantemos o mesmo tipo de comboio, melhoramos a circulação e chamamos-lhe outra coisa. É uma falsa questão, a do PCP", disse ao PÚBLICO o deputado Luís Gonelha. O PSD, que concorda com o encerramento total da linha para obras, considera este projecto de resolução do PCP "inoportuno". "Primeiro vou ver quais são as soluções [da CP para ligar Lisboa a Évora e a Beja] e só depois disso é que, concordando ou não, vamos tomar uma decisão", sustentou o deputado "laranja" Luís Rodrigues.

O CDS-PP considera que o Governo deve tomar "as medidas necessárias para que sejam prestados aos utentes esclarecimentos quanto ao calendário das obras e ao restabelecimento desta ligação Intercidades".

Verdes e BE estão contra o fim do serviço Intercidades para aquela linha e anunciaram que votarão hoje a favor. com Cláudia Sobral