Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

CP propõe novo modelo de exploração da Linha do Alentejo

06.01.11 | barak

 

A CP - Comboios de Portugal propôs às autarquias um novo modelo de exploração da Linha do Alentejo com o qual prevê reduzir os custos em mais de 40 por cento.

Num esclarecimento enviado à agência Lusa, a CP diz que já teve "reuniões de trabalho com os autarcas das populações abrangidas pelo troço da Linha do Alentejo entre Casa Branca e Beja, no passado mês de outubro e, mais recentemente, em dezembro".

Nestas reuniões, a CP apresentou uma proposta de modelo de exploração para o Alentejo, estando neste momento em discussão o ajustamento dos horários propostos, não sendo, por isso, definitivo.

De acordo com o modelo apresentado pela empresa, o serviço entre Lisboa e Évora passa a ser feito com automotora elétrica, contando com paragens em Vendas Novas e Casa Branca.

O troço entre Casa Branca e Beja, segundo a mesma proposta, será feito com automotora diesel.

"Passariam a existir entre Lisboa e Évora cinco comboios diários e por sentido, que efetuam ligação ao serviço entre Casa Branca e Évora com um tempo de transbordo na ordem dos cinco minutos", refere a CP no esclarecimento enviado à Lusa.

A empresa salienta que com o modelo proposto as populações do troço entre Casa Branca e Évora ficam "com a disponibilidade de cinco ligações diárias e por sentido para Lisboa e para Évora", afirmando que "serão aumentadas de duas para cinco as ligações disponíveis para Lisboa, mas com um transbordo em Casa Branca". O número de ligações entre Beja e Lisboa também aumenta de duas para cinco.

Já o tempo de viagem entre Lisboa e Beja aumenta das atuais 02:25 para 2:32, o que já inclui o tempo de transbordo em Casa Branca e paragens adicionais em Cuba, Alvito, Vila Nova de Baronia e Alcáçovas.

A CP diz que a proposta tem origem em motivações de "ordem ambiental, económica e de mobilidade", afirmando que o modelo proposto permite "uma redução nos custos de exploração superior a 40 por cento".