Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

Mais crianças nas urgências hospitalares devido ao frio

18.12.10 | barak

Desde o início do mês que vários hospitais de Lisboa e Vale do Tejo sofreram um aumento significativo da procura das urgências pediátricas. Em alguns casos chega a 70%, mas sem casos de gravidade. A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) garante que muitos podiam ter sido resolvidos nos centros de saúde e vai dar prioridade, nos centros de saúde, às crianças para ali encaminhadas pela Linha de Saúde 24.

Segundo o coordenador para a área da Pediatria da ARSLVT, "há um aumento global da procura ao nível dos consultórios, centros de saúde e hospitais". Aumento que Gonçalo Cordeiro Ferreira diz ser normal para a altura do ano "devido à descida das temperaturas e às variações térmicas".

Este coordenador refere que "os casos clínicos são de vírus respiratórios, sem quadros graves e sem um aumento do número de internamentos". A diferença, adianta, "é que o tempo de febre é maior, rondando os 4 a 5 dias". "Em relação a 2009, a variação de procura na região de Lisboa e Vale do Tejo anda entre os 40 e os 70%", explica Gonçalo Cordeiro Ferreira.

Para evitar uma sobrecarga desnecessária das urgências com casos que podiam ser resolvidos na rede de cuidados primários, a ARSLVT anunciou que as crianças entre os 1 e 12 anos, encaminhadas pela Linha de Saúde 24, vão ter prioridade no atendimento da doença aguda nos centros de saúde da região. "Se calhar todos os anos devíamos fazer este alerta, que é mais pró-activo", diz o coordenador da ARSLVT.

Mas o aumento da procura não é exclusivo de Lisboa. No hospital de São João, no Porto, desde 11 de Dezembro e até às 16.00 de ontem foram registadas 1779 urgências pediátricas, mais 46% do que na mesma semana de 2009, quando se contabilizaram 1216 casos. Já no Hospital do Espírito Santo, em Évora, o aumento foi na ordem dos 60%. Em Viseu, nos primeiros 15 dias foi também registado um aumento significativo da procura. Em todos os casos os números são considerados "normais".