Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

Defensores dos animais convocam manifestação

17.11.10 | barak
Cresce onda de indignação contra veterinário acusado de abater ilegalmente sete cães

<input ... >00h24m

Marisa Rodrigues

Defensores dos direitos dos animais exigem a demissão do veterinário do canil municipal de Évora, que recentemente abateu sete cães saudáveis alegado ter um "orçamento limitado". Uma manifestação está marcada para segunda-feira frente à autarquia.

O apelo surgiu através do Facebook depois de ter sido tornado público o abate de sete animais, cinco dos quais com processos de adopção já em curso.

Ontem, à medida que centenas de utilizadores confirmavam a presença na manifestação, subiam também de tom as críticas à actuação do veterinário. Palavras como "assassino" e "talhante" repetiram-se vezes sem conta em vários comentários.

Os organizadores do protesto garantem que o objectivo é "manifestar a revolta e a indignação pelos actos desumanos e cruéis" que dizem terem sido cometidos por António Flor Ferreira. Acusações que o veterinário rejeita.

O abate foi inicialmente denunciado à Câmara Municipal pelas duas veterinárias que trabalham no canil sob as ordens de Flor Ferreira. Queixavam-se de sofrer "pressões" do superior hierárquico para eutanasiar animais "devido aos custos associados à sua manutenção". Dos sete abatidos, três estavam com processos de adopção em fase final, com donos já definidos, e dois em fase inicial. As veterinárias garantem ter alertado Flor Ferreira. "Quando confrontado com a situação disse apenas que os animais não poderiam ficar mais de um mês no canil e que por isso seriam abatidos. "Muito embora o canil não se encontrasse cheio", pode ler-se no documento que circula na Internet.

Alexandra Moreira, advogada e sócia de várias associações de defesa dos animais, diz que a atitude é "abusiva e ilegal. Os cães, que lá estavam há apenas cerca de dois meses, já pertenciam a outras pessoas". Rejeita a morte "por questões financeiras", uma vez que, diz, "um abate ronda os 60 euros". "Foram gastos 420 euros para matar, dinheiro que dava para alimentar muitos animais".

Veterinário nega acusações

O veterinário municipal de Évora refutou ontem todas as acusações, garantindo que agiu em conformidade com a lei. Sublinhou  ainda estar a ser vítima de "calunias".

"Estes animais já estavam há 60 dias no centro de recolha oficial (...) e não estavam dados para adopção, porque quem decide a adopção sou eu e ninguém me deu conhecimento que havia pessoas interessadas", afirmou António Flor Ferreira, em declarações à Agência Lusa.

"As adopções são extremamente difíceis, porque receber um animal requer condições para o ter. A  legislação determina que nós vamos verificar e nem toda a gente as tem", alegou. Adiantou ainda que o centro de recolha oficial de Évora possuí "muitas fichas de inscrição para adopção", mas garantiu que "as pessoas quando são contactadas para irem buscar os animais, muitas vezes, já não os querem". Como o centro "tem espaços limitados e orçamentos limitados, os animais não podem permanecer por tempo indeterminado", concluiu.