Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

As luzes | Eduardo Luciano | Diana FM 21/10/2010‏

21.10.10 | barak

As luzes

O anúncio da ausência de iluminação de Natal na cidade de Évora em 2010, tem sido motivo de conversa nos últimos dias.

Depois de três anos seguidos em que se gastaram em média 150 mil euros por ano para iluminar a cidade na quadra natalícia, descobriu agora o Presidente da Câmara que a situação financeira do Município não permitia continuar a gastar dessa forma o dinheiro que não há.

Confesso que não sou um adepto entusiasmado de faustosas iluminações com anjos, sinos e pinheiros, preferindo iluminações mais discretas que promovam um ambiente festivo sem ofuscar o património que lhes serve de enquadramento.

Talvez por isso entenda que se deveria ter encontrado atempadamente soluções com a participação dos comerciantes e que, permitindo dotar a cidade do ar festivo que os que comemoram o Natal esperam, contribuiria também para uma efectiva poupança nas finanças municipais.

Mas o caminho encontrado foi, mais uma vez, o mais tortuoso.

Sabendo há muito tempo que não seria possível continuar a gastar aquela ordem de valores, preferiu o Presidente da Câmara nada fazer e anunciar, em Outubro, que luzinhas nem vê-las.

Não questiono a necessidade de poupar neste tipo de despesas, mas seria seguramente sinónimo de responsabilidade política ter começado a trabalhar com os representantes dos comerciantes atempadamente, para que fosse possível encontrar outras soluções.

Não tendo agido desta forma, sujeita-se às anedotas sobre o assunto, havendo já quem diga que depois de apagar as luzes se prepara para fechar porta.

Com o anunciado roubo dos salários, com o aumento de impostos sobre o trabalho e sobre o consumo, com o anúncio de um ano de 2011 em que a maioria dos portugueses verá diminuir drasticamente a sua qualidade de vida e em que o número dos que ficarão sem emprego crescerá de forma sustentada, só nos faltava que a cidade atravessasse a época natalícia às escuras.

Mas enquanto não chega esse momento há estrelas que brilham no FIKE e o marionetista Manuel Dias acabou de ser premiado pela sua participação num festival realizado na China.

Ainda vamos a tempo de sermos ousados e de desafiarmos os agentes culturais do concelho a encherem a cidade de brilho e luz com as suas actividades.

Sairá seguramente mais barato e tem a enorme vantagem de iluminar alguns recantos mais escuros de algumas cabeças.

 

Até para a semana

 Eduardo Luciano