Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

Fim da greve dos trabalhadores da Kemet Electronics de Évora

30.04.10 | barak

O delegado sindical Hugo Fernandes adiantou à Agência Lusa que os trabalhadores foram recebidos esta manhã na delegação de Évora da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), que "prometeu acompanhar a situação" na empresa.

"A ACT explicou-nos que estava a iniciar o processo para notificar a empresa sobre os nossos direitos e ficou de marcar uma nova reunião para nos dar a conhecer os resultados do apuramento que fizeram", disse o sindicalista.

Os trabalhadores da unidade alentejana iniciaram quinta feira uma greve parcial de dois dias, com a paralisação nas primeiras quatro horas de cada turno, para exigir aumentos salariais e a atribuição de 22 dias úteis de férias.

Exigem também que os apoios financeiros do Estado e da Câmara de Évora sejam suspensos até que a administração da empresa garanta a manutenção da fábrica em Portugal e se comprometa a respeitar a lei e os direitos dos trabalhadores.

Num comunicado publicado esta sexta-feira num jornal local, a administração da Kemet Electronics anunciou o regresso do trabalho por turnos, a partir de sábado, e os aumentos salariais até 3%, com base no desempenho, a partir de julho.

No documento, a unidade fabril explicou que produz "apenas cerca de 50% do volume que apresentava em igual período de 2008", o que obrigou a empresa a adotar medidas de contenção, entre as quais a interrupção da laboração por turnos rotativos.

A administração da multinacional norte-americana Kemet Electronics de Évora adiantou que atualmente tem "a possibilidade de consolidar a recuperação da sua actividades, embora de forma parcial, e aceitar desafios de novos volumes e produtos".

Hugo Fernandes, do Sindicato das Indústrias Elétricas do Sul e Ilhas (SIESI), defendeu que todos os trabalhadores da empresa devem ser abrangidos pelas medidas anunciadas hoje pela administração da fábrica de Évora.

"Cerca de 240 trabalhadores da fábrica estão interessadas em fazer turnos e uma das nossas propostas era criar um sistema rotativo de três meses", disse, lamentando que a empresa não diga se a medida vai abranger todos os trabalhadores ou não.

Sobre os aumentos salariais propostos pela Kemet Electronics, o sindicalista lembrou que "há três anos que não há aumentos", pelo que este ano "todos os trabalhadores deveriam ser aumentados".

"Nós sabemos como funciona a avaliação de desempenho, quando há uma série de pessoas castigadas por reclamarem direitos", afirmou, temendo que alguns trabalhadores continuem sem aumento salarial.

Com quase 400 operários, a fábrica de Évora da multinacional norte-americana Kemet Electronics produz condensadores de tântalo, componentes utilizados na produção de telemóveis e em equipamentos eletrónicos para a indústria automóvel.

(Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico)

Lusa

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.