Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

Évora: Operários da Kemet Electronics voltam à greve

29.04.10 | barak

Os operários da fábrica de Évora da multinacional norte-americana Kemet Electronics vão cumprir uma greve parcial hoje e amanhã para exigir aumentos salariais e a atribuição de 22 dias úteis de férias.
Cerca de um mês depois da última greve, os trabalhadores da Kemet Electronics, que vão paralisar nas primeiras quatro horas de cada turno, marcaram concentrações junto ao Governo Civil de Évora, Câmara Municipal e Autoridade para as Condições do Trabalho.
"Esta nova greve foi marcada devido à intransigência da administração da Kemet, que insiste em manter a prepotência do quero, posso e mando", disse Paulo Ribeiro, dirigente do Sindicato das Indústrias Elétricas do Sul e Ilhas (SIESI).
O sindicalista adiantou que a paralisação tem ainda como objetivo protestar contra a decisão da administração da empresa de suprimir o pagamento do subsídio de turno e do trabalho noturno, o que significou uma "redução nos salários na ordem dos 30 por cento".
"Quando a empresa concentrou os trabalhadores todos num turno, essa remuneração deixou de ser paga e tiveram cortes salariais nos recibos de IRS entre quatro a seis mil euros em relação ao último ano", explicou.
Segundo Paulo Ribeiro, durante as negociações com a empresa, a proposta do sindicato "previa um aumento faseado do salário, mas a multinacional contrapropôs que só queria dar aumentos aos trabalhadores que escolhia por escrito".
Os operários da Kemet reivindicam também o cumprimento do direito legal a um mínimo de 22 dias úteis de férias, porque a empresa "desde há três anos que atribui apenas 16 dias úteis de férias", disse o dirigente sindical.
Por outro lado, acrescentou, os trabalhadores exigem que os apoios financeiros do Estado e da Câmara de Évora sejam suspensos até que a administração da empresa garanta a manutenção da fábrica em Portugal e se comprometa a respeitar a lei e os direitos dos trabalhadores.