Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

"Cheque-obra" visa recuperar monumentos portugueses

25.08.09 | barak

O Ministério da Cultura lança hoje, terça-feira, às 11 horas, o Programa de Recuperação do Património Classificado, no Palácio Nacional de Queluz. Este local é o primeiro alvo do também denominado "Cheque-obra".

O novo programa tem como objectivo o restauro do património cultural de imóvel classificado português e vai funcionar na lógica do mecenato. Assim, várias empresas privadas vão associar- -se voluntariamente ao Estado, com donativos em espécie, ou seja em obra, num plano plurianual de âmbito nacional, segundo o comunicado do Conselho de Ministros do passado dia 20.

Segundo o mesmo documento, "as empresas do sector da construção civil e das obras públicas, às quais o Estado ou um concessionário público adjudique uma obra pública no valor igual ou superior a dois milhões e 500 mil euros, efectuam a doação em valor equivalente a 1% do preço total de cada empreitada que lhes seja adjudicada".

Os donativos dos "mecenas" vão ser considerados para efeitos do imposto no Código do Imposto do Valor Acrescentado (IVA), integrando, ainda, o Fundo de Salvaguarda do Património Cultural.

Haverá, também, a qualificação dos técnicos profissionais envolvidos nos sectores da reconstrução e restauro, através de vários ministérios, como os da Cultura, Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Trabalho e a Solidariedade Social e Educação.

No dia 27 de Fevereiro, já tinham sido assinados os primeiros protocolos entre o Ministério da Cultura, 12 empresas do sector privado e as seguintes entidades: Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas, Associação Nacional de Empreiteiros de Obras Públicas, Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas e Associação de Empresas e Construção e Obras Públicas.

Desde aí, já outras manifestaram interesse em aderir a esta parceria. Actualmente, as empresas associadas são, entre outras, a Somague, Obrecol, Somafre e Tecnovia.

O primeiro projecto do PRPC, o do restauro do Palácio de Queluz, ficou a cargo das empresas Soares da Costa e Moniz da Maia Serra & Fortunato.

A escolha do património a restaurar é da responsabilidade do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico (IGESPAR) e a sua divulgação será feita pelo Observatório das Obras Públicas.

O Convento de Cristo, a Torre de Belém, o Mosteiro de Alcobaça e o Mosteiro da Batalha são os próximos a merecer a atenção da IGESPAR.

Outros imóveis visados pelo "Cheque-Obra" são, no Norte do país, o Castelo de Guimarães, as Fortificações da Praça de Valença, a Igreja de Vilar de Frades, o Mosteiro de São Martinho de Tibães e a Sé Catedral do Porto, entre outras.

Na Zona Centro, constam da lista a Capela de São Jorge, o Castelo de Marialva e o Mosteiro de Santa Cruz.

No que toca a Lisboa e Vale do Tejo, são visados a Sé de Lisboa, a Igreja de São Vicente de Fora e o Palácio de Manique do Intendente, entre outros.

Quanto ao sul do país, serão restaurados o Castelo de Alcácer do Sal, o Castelo de Avis, a Sé de Évora e a Fortaleza de Belixe, entre outros.

O Estado vê como prioritária a valorização do património e, assim, é assegurada uma herança nacional às gerações que se seguem.

Os projectos realizados no âmbito deste programa terão em consideração, sempre que possível e se a lei o permitir, as pessoas de mobilidade reduzida.

Polícia perdoa estrangeiros

23.08.09 | barak

Os veículos de matrícula estrangeira em local de estacionamento proibido não estão a ser autuados com coimas simples pela PSP e GNR em todo o País. Ao que o CM apurou, as forças de segurança fazem ‘vista grossa’ a estas infracções para evitar todo o trabalho que envolve depois o processo de notificação do condutor.


 

'Não há qualquer ordem superior para que não sejam multados. Mas o facto é que os contactos que são feitos para o estrangeiro para se notificar o condutor são muito morosos e envolvem mais custos do que o valor da multa, na ordem dos 30 euros', referiu uma fonte policial. Esta fonte acrescenta que são apenas efectuadas contra-ordenações directas. 'Quando é o caso de reboque ou imobilizador têm de pagar na hora', disse.

O caso mais recente passou-se anteontem em Évora. Um potente Audi, de matrícula francesa, esteve mais de duas horas estacionado num lugar pago por uma empresa. Chamada a PSP, um agente verificou que o carro não podia ser rebocado pela forma como estava estacionado. Depois apercebeu-se de que o imobilizador não cabia na jante e foi-se embora sem o autuar.

'Vai ter de esperar pelo dono do carro', disse o polícia ao funcionário da empresa que detém o lugar de estacionamento. O intendente Ricardo Abreu Matos, comandante da PSP de Évora, já prometeu averiguar este caso.

Portugal sonha com futura geração da tecnologia solar

23.08.09 | barak
As zonas de Porto Alto, Trafaria, Setúbal, Évora, Alqueva, Estói e Portimão foram as escolhidas para acolher os primeiros projectos portugueses de inovação e demonstração de energia solar concentrada termoeléctrica e concentrada fotovoltaica. A potência total a concurso é pequena - são 33,5 megawatts que equivalem a apenas 16 torres eólicas das mais recentes -, as condições são restritivas, mas os interessados não deverão faltar.

É a perspectiva de futuro que atrai entidades como a EDP, que já anunciou que vai avançar nesta área, ou o grupo Dreen, ligado às energias renováveis, que prepara uma parceria com a Águas de Portugal, como revelou ao PÚBLICO, para entrar no fotovoltaico de alta concentração.

Dos EUA à China, o momento é de grande entusiasmo no desenvolvimento das tecnologias solares concentradas, que se baseiam em grandes instalações de espelhos parabólicos, algumas delas a funcionar há vários anos. Símbolo desta nova vaga é o megaprojecto Desertec, o consórcio liderado por grupos alemães que quer aproveitar o sol do deserto do Sara para produzir energia eléctrica que seja suficiente para satisfazer 15 por cento do consumo dos europeus e transportá-la ao longo de dois mil a três mil quilómetros.

Em Portugal, não são grandes centrais que o Governo quer promover, mas pequenas unidades de inovação e demonstração que possam entrar na geração tecnológica posterior à que será usada no arranque do Desertec, e que, sendo tecnologias afins, se encontram ainda hoje em etapas anteriores de desenvolvimento, explica Manuel Collares Pereira, vice-presidente da Dreen e professor catedrático do IST. As inovações mais esperadas desta tecnologia passam pela possibilidade de armazenamento de energia e pelos tipos de espelhos parabólicos. Assim, na opinião deste investigador, o país pode "apanhar a leva seguinte".

A estreia portuguesa confina-se para já às zonas com grande exposição solar e onde há mais disponibilidade da rede eléctrica para receber energia. Serão aprovados um máximo de 14 projectos "com forte componente de investigação e desenvolvimento tecnológico", em função de três critérios, o mais restritivo dos quais é a valorização de parcerias com entidades com carreira nestas tecnologias, as quais não existem em Portugal. Os outros dois são a ligação às universidades com relevância na área da energia solar e a eficiência energética associada ao projecto.

Os projectos vencedores terão ligação à rede eléctrica e uma tarifa subsidiada, a definir por portaria.

Espaço é bem escasso

Ao impulso à geração descentralizada, acessível a pequenos produtores/consumidores e designada por microprodução, parece suceder agora, a nível mundial, a aposta na produção de electricidade a partir de grandes centrais termoeléctricas concentradas que funcionam através do "velho" circuito fechado de água (ou de um fluido), mas em vez de ser com carvão ou gás natural é com a energia do sol. As gigantescas centrais de painéis solares térmicos de concentração previstas no projecto Desertec deverão funcionar igualmente com vapor de água, de acordo com a informação disponível.

Se a investigação em Portugal se destinar a ser usada, no futuro, no deserto, "é uma boa ideia, se não, não serve", defende Manuel Ferreira dos Santos, um dos dirigentes da associação ambientalista Geota, por considerar que não há ganhos garantidos de eficiência que tornem esta produção de energia mais barata (é cerca de três vezes mais cara do que a eólica) e por necessitar de muito espaço, um bem escasso no país. Quando estiver a funcionar em cruzeiro, o projecto Desertec ocupará uma área do Sara equivalente à dos 18 municípios da Área Metropolitana de Lisboa.

As consultoras não sabem ao certo quanto dinheiro se dirige neste momento para o desenvolvimento destas tecnologias, estando o bolo mais apetitoso, de 787 mil milhões de dólares, a ser distribuído pelo Governo dos EUA para as tecnologias limpas. E não é por acaso que nos EUA se ouve dizer agora: "Estamos a vender solar à maluca, em Houston." São palavras de John Berger, responsável da empresa de serviços energéticos Standard Renewable Energy, citado há alguns dias pelo Financial Times.

Música: Segundo Festival jazz.pt reforça aposta em portugueses e estende-se a Évora

22.08.09 | barak

Lisboa, 22 Ago (Lusa) - A segunda edição do Festival jazz.pt decorrerá em Setembro em Lisboa, com a apresentação de novas propostas do jazz português e o lançamento de uma dezena de álbuns, e terá este ano uma extensão em Évora.

O festival é organizado pelo Jazz ao Centro Clube, proprietário da jazz.pt, revista portuguesa dedicada ao jazz, e decorrerá de 03 a 05 e de 10 a 12 de Setembro em Lisboa e em Évora.

O festival torna a dar importância ao jazz nacional, com concertos de músicos que irão lançar novos álbuns nos próximos meses, disse à Lusa Rui Eduardo Paes, editor da revista jazz.pt.

"Tínhamos conhecimento de que havia uma série de discos que iam sair em Setembro e programámos o festival tendo esse factor como critério básico", referiu.

No Hot Clube de Portugal estão previstas actuações de músicos como o pianista Júlio Resende, o saxofonistta Rodrigo Amado, ambos com músicos internacionais, o guitarrista Nuno Costa e a Big Band da Nazaré, com novos álbuns previstos para depois do Verão.

Destaque ainda para o concerto do saxofonista italiano Riccardo Luppi, com quem colabora o baterista português João Lobo, e para a actuação do músico japonês Nobuyasu Furuya, que se reparte entre Lisboa e Berlim.

Para Rui Eduardo Paes, o cabeça-de-cartaz deste festival é o Trio Jazz Giants, que actuará a 05 de Setembro no Parque Mayer, integrado também no evento "Lisboa ao Parque".

Este concerto será protagonizado por três "figuras históricas do jazz da Europa": o pianista Joachim Kühn, o contrabaixista Miroslav Vitous e o baterista Daniel Humair.

O cartaz de Lisboa repetir-se-á quase na íntegra em Évora, na Praça do Giraldo, no Teatro Municipal Garcia Resende e no Espaço Celeiros.

Rui Eduardo Paes sublinhou que "a maior parte dos eventos jazzísticos em Portugal tende a realizar-se do centro para o norte, com muito pouca coisa a acontecer no sul".

Este cenário leva a que haja "menos rodagem de músicos de jazz e menos acesso a público no sul" e é por isso que a organização do festival jazz.pt tenta descentralizar e "multiplicar eventos que se realizem no sul do país".

A escolha recaiu em Évora pela existência de escolas de jazz e de uma licenciatura de jazz na Universidade de Évora.

O editor concorda que nos últimos anos surgiram muitos festivais de jazz, alguns deles promovidos por autarquias, mas o festival jazz.pt "dá sobretudo importância ao jazz que é feito por portugueses".

"Portugal talvez seja o país europeu com mais festivais de jazz", opinou Rui Eduardo Paes.

"É um fenómeno com o qual muitos músicos estrangeiros e amantes do jazz lá por fora se surpreendem. É um fenómeno surpreendente e não há uma explicação imediata para que tal aconteça", disse.

O festival adopta o nome da única revista, bimensal, de jazz publicada em Portugal com regularidade desde 2005.

 

SS.

Lusa/fim

Évora: Polícias patrulham de bicicleta para contornar obstáculos da cidade

21.08.09 | barak

A bicicleta é o novo meio de transporte da PSP de Évora. Maior visibilidade do policiamento e facilidade no acesso às ruas estreitas do centro histórico são algumas das vantagens desta nova forma a patrulhamento, disse à DianaFm a sub-comissária Rosa Borreicho. O facto dos agentes da Polícia circularem de bicicleta melhora ainda a respostas às ocorrências, segundo a PSP. O Centro Histórico e as ecopistas são os principais locais de acção destas equipas, que se estenderão a outras zonas da cidade consoante os fluxos de população.

A6: Três homens assaltam estação de serviço de Vendas Novas

21.08.09 | barak

Três homens armados e encapuzados assaltaram hoje de madrugada a estação de serviço de Vendas Novas da Auto-Estrada 6 (A6), no sentido Marateca-Caia, tendo furtado cerca de mil euros em dinheiro e tabaco, revelou a GNR.

Fonte do comando de Évora da GNR explicou à agência Lusa que os «três» assaltantes, armados com «caçadeiras», entraram na estação de serviço cerca das 02:00, «ataram o funcionário com uma corda e tentaram arrombar a caixa Multibanco», recorrendo a «rebarbadoras».

Contudo, a operação não foi bem sucedida e, com as mesmas rebarbadoras, o grupo acabou por cortar a máquina de venda de tabaco, levando o dinheiro e os pacotes de cigarros que se encontravam no interior, acrescentou a fonte.

Além disso, segundo a GNR, os assaltantes roubaram ainda «cerca de mil euros em dinheiro da caixa registadora».

De acordo com a fonte policial, durante o assalto, que durou «cerca de 14 minutos», os assaltantes «depararam-se com um veículo pesado que entrou na estação de serviço e fizeram alguns disparos para o ar», sem acertar «em ninguém, nem na viatura».

Consumado o assalto, os três indivíduos fugiram a pé em direcção ao mato, onde «tinham uma viatura automóvel que utilizaram para a fuga», relatou a fonte, explicando que os suspeitos «estão a aprender que, quando fogem dentro da auto-estrada, é mais fácil serem caçados».

«Quando a patrulha do destacamento de Trânsito da GNR chegou ao local, os indivíduos estavam a iniciar a fuga», disse a fonte policial, adiantando que os militares da guarda ainda iniciaram a perseguição, mas sem sucesso.

O caso foi entregue à Polícia Judiciária (PJ).

Diário Digital / Lusa

 

Arena d’Évora apresenta Tony Carreira

21.08.09 | barak


 

Os ingressos para o concerto estarão disponíveis a partir da próxima segunda-feira, dia 24 de Agosto, na Arena de Évora, no Posto de Turismo na Praça do Giraldo e nas tabacarias Central Parque Rico Arcada e Paris, a partir das 17 horas. A oferta de ingressos é limitada a 2 por pessoa e serão disponibilizados até ao limite da lotação da sala.

Considerado pelos fãs como “o maior ícone da música romântica portuguesa”, Tony Carreira está de regresso a Évora para se apresentar pela primeira vez em concerto na Arena d’Évora. Desta vez Tony Carreira apresenta ao vivo o seu último trabalho discográfico “O Homem Que Sou”, que é o 14º álbum de estúdio. O álbum contou com a participação especial do italiano Toto Cutogno no tema “A Cantar”, num dueto com Tony Carreira. O tema “Porque é que vens” serviu como apresentação ao público deste álbum e, tal como era esperado, já é um verdadeiro sucesso nas rádios.

Os ingressos para o concerto são gratuitos e a Câmara Municipal de Évora encerra com este espectáculo o Festival de Verão de Évora deste ano.

 

A insegurança no Centro Histórico de Évora

21.08.09 | barak

Ultimamente o CHE tem sido invadido por uma onde de assaltos que deixa todos alarmados...

Todos os dias há roubos a comerciantes em plena luz do dia e nas ruas mais movimentadas do centro!

Também os mais idosos têm sido vítimas desta onda de criminalidade, quando saem para os seus afazeres e acabam roubados sob ameaça de armas brancas!

Há que fazer alguma coisa para parar esta ameaça! Mais polícia nas ruas, mão pesada a quem assalta.

Há que garantir a segurança de todos aqueles que circulam e fazem a sua vida no centro histórico de Évora!

Uma cidade que já foi considerada das mais seguras do país, vive agora um momento grave de criminalidade que precisa ser travada a todo o custo...

As entidades responsáveis que olhem pelo que resta do CHE...

Évora: Escolas sofrem “transformação completa”

19.08.09 | barak

Duas escolas de Évora estão inseridas no Programa de Modernização do Parque Escolar. Há um ano começaram as obras na Escola Gabriel Pereira. Agora é a vez do estaleiro ser montado na Severim de Faria. O Director desta escola, Carlos Percheiro, não esconde o entusiasmo face ao que vai ser feito. Fazer obras e dar aulas ao mesmo tempo obrigam a uma nova gestão do espaço. Os alunos vão passar o ano lectivo longe das velhas salas de aula. Uma experiência vivida durante o último ano por outro Director, o da Escola Gabriel Pereira, que afirma ter-se defrontado apenas com um problema. Ananias Quintano tem dificuldade em explicar o que foi feito na escola que dirige, tal é o impacto das obras realizadas. O convite foi aceite. E nada melhor do que aproveitar uma visita do Primeiro-Ministro, que esteve ontem em Évora, para ver o que foi feito. Pode dizer-se que pouco ou nada resta da velha Escola Industrial. Nem a cor azul pela qual ficou conhecida. Na Gabriel Pereira as aulas irão começar no dia 15 de Setembro, já nos novos edifícios. Um dia antes inicia-se o ano lectivo na Escola Severim de Faria.

Meteo: Aviso amarelo em Bragança, Évora e Beja devido ao tempo quente

19.08.09 | barak

Lisboa, 19 Ago (Lusa) - Os distritos de Bragança, Évora e Beja estão hoje com aviso amarelo devido ao tempo quente, de acordo com o Instituto de Meteorologia (IM).

Évora e Beja deverão chegar hoje aos 37º Celsius e Bragança aos 34º, enquanto Lisboa se ficará pelos 32º, Porto nos 22º e Faro nos 29º.

O aviso amarelo do IM é o segundo menos grave de uma escala de quatro.

A Direcção-geral da Saúde (DGS) mantém em alerta amarelo os distritos de Bragança, Santarém, Castelo Branco, Portalegre, Beja, Évora e Setúbal, também devido à permanência de tempo quente.

O alerta amarelo da DGS é o nível intermédio de uma escala de três, e justifica-se pelos efeitos na saúde das temperaturas elevadas.

Para hoje, o IM prevê céu pouco nublado ou limpo, apresentando-se muito nublado e com neblina ou nevoeiro no litoral oeste até ao início da tarde e para o fim do dia.

Aguarda-se ainda uma pequena descida da temperatura.

SB.

Lusa/fim