Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

olharevora

Um olhar crítico/construtivo sobre a cidade de Évora

Tive um sonho-23/09/2008

05.08.09 | barak

Sonhei que vinha a chegar a Évora pela estrada de Viana. Passei pelo aeródromo e vi várias fábricas ligadas ao sector aeronáutico a laborar a todo o vapor…Cheguei então a uma rotunda que indicava a variante norte à cidade,o parque de feiras e a variante sul, segui por sul e encontrei junto ao MARÉ um retail park .

Segui a variante, encontrei a zona desportiva da cidade com o novo estádio e o shopping da Sonae,com uma grande zona verde envolvente. Continuei a viagem e via-se uma zona industrial em grande expansão e o Fórum Évora, para além da linha de combóio que vem de Sines e liga Évora a Badajoz.

Já no fim da variante e na direcção de Lisboa, encontrei a indicação para o Hospital Central do Alentejo e entrei na E.N. 114 que tem agora 4 faixas até ao nó da A6, passei pelo Feira Nova e pelo Retail Park onde se localiza a Moviflor.

De repente acordei, e vi que Évora se mantinha igual a si mesma…

Cada vez que o Homem sonha,o mundo pula e avança…

Bons sonhos!

Horta das Figueiras -26/09/2008

05.08.09 | barak

Vou hoje falar da Rua Horta das Figueiras e adjacentes.

Como sabem, chamam a esta área a "Zona Indústrial da Horta das Figueiras" mas de indústrial não tem nada, é uma grande zona comercial,isso sim, com grandes superfícies, serviços e pequeno comércio.

Hoje em dia, a Rua Horta das Figueiras pode considerar-se até mais importante em termos comerciais do que o centro histórico, devido à concentração de espaços ali existentes.

Os problemas desta área comercial tão importante são sobretudo de trânsito, estacionamento e arranjo dos espaços públicos.

O trânsito é caótico a qualquer hora do dia, não só pelo movimento gerado pelo comércio mas também porque esta via serve de ponto de passagem entre o sul e o norte da cidade. Os cruzamentos precisam de sinalização semafórica urgentemente e é preciso abrir com brevidade uma via que ligue a zona indústrial à zona norte da cidade, uma espécie de variante à Horta das Figueiras.

Quanto ao estacionamento, muitas das superfícies comerciais têm parques próprios, mas verifica-se um estacionamento selvagem por cima dos passeios, impedindo os peões de circular em segurança. O estacionamento deveria ser por isso regulado, organizado e deveria ser criado mais parqueamento.

No que respeita aos espaços públicos, este necessitam de intervenção urgente para melhorar o aspecto daquela zona, uma vez que ao fim de semana, com o comércio do centro fechado, a população eborense desloca-se a esta zona para fazer compras. Aliás, como não existe um shopping em Évora, esta área funciona um pouco como um shopping a céu aberto,pois a maioria do comércio está aberto todos os dias.

A câmara devia prestar atenção a esta importante zona económica da cidade e resolver estas questões...

Como o tempo passa em Évora... 26/09/2008

05.08.09 | barak

Évora Fórum deverá abrir no início de 2007

A Comissão Regional do Alentejo Central já concedeu a licença comercial ao Évora Fórum, o que marca o ponto de partida para a abertura deste complexo comercial que deverá ficar pronto no início de 2007.Segundo informações avançadas pela empresa promotora do empreendimento, citada pelo Jornal de Negócios, os trabalhos preparatórios para a construção do novo centro vão ter início no próximo mês de Outubro, para que a sua inauguração possa ser possível dentro de ano e meio.

O projecto tem uma área bruta locável comercial de cerca de 12 mil metros quadrados, terá cinco salas de cinema com capacidade para 600 espectadores e cerca de 60 lojas. O complexo irá também dispor de um parque de estacionamento com capacidade para mil viaturas.

O empreendimento irá contribuir para a criação de 600 postos de trabalho, prevendo-se um investimento na ordem dos 30 milhões de euros.

Notícia de Setembro de 2005...

 

Segundo noticia o Diário Económico, os shoppings estão a apostar em modificações e ampliações dos espaços comerciais já aprovados para não se submeterem ao processo de autorização no âmbito do novo regime de elicenciamento comercial.

As expansões, que carecem apenas de uma autorização camarária, têm sido sido frequentes recentemente. O Diário Económico dá como exemplo a parceria entre a Jerónimo Martins e a Multi Development para ampliar o Feira Nova de Évora e transformá-lo num empreendimento composto por centro comercial e um retail park, num investimento avaliado em 70 milhões de euros. A parceria contempla ainda a expansão dos hipermercados Feira Nova de Santa Maria da Feira e de Sintra.

Também a Sonae Sierra tem, segundo aquele jornal, um projecto de modificação do centro comercial Modelo de Évora, que prevê a mudança de localização e ampliação da área de vendas já aprovada para uma área bruta locável de 19.935 metros quadrados.Muito recentemente, a Sonae Sierra inaugurou o RioSul Shopping no Seixal, que resultou da ampliação do centro comercial Continente.

Notícia de Abril de 2006

 

Apesar de existir um estudo, realizado para a C.M.Évora, que confirma a viabilidade de apenas um centro comercial de grandes dimensãoes na cidade, os investidores que já se mostraram parecem não acreditar e muito menos desistir das suas apostas na capital do Alentejo.

O futuro centro comercial Évora Retail Park conheceu esta semana desenvolvimentos, com a entrada em fase de consulta pública do Estudo de Impacte Ambiental.
Segundo o documento, estão previstos dois blocos comerciais, ocupando uma área total de 81 mil metros quadrados.
O Évora Retail Park vai ter um total de 15 lojas e 760 lugares de estacionamento, sendo o Hipermercado Feira Nova a empresa âncora.
O novo centro comercial promete captar investimento privado para o concelho, estimando criar 215 novos postos de trabalho directos.
O projecto vai nascer na Quinta do Vale Vazios, na freguesia da Malagueira, junto à estrada nacional 114.

Notícia de Outubro de 2007

 

17-mai-2007
O centro comercial previsto para a freguesia da Horta das Figueiras, em Évora, tem novos avanços, sendo que entrou recentemente em fase de consulta pública o seu Estudo de Impacte Ambiental.
Segundo o documento, o Figueiras Retail Park terá capacidade para 1000 lugares de estacionamento, sendo 740 em parque subterrâneo.
Estão previstos restaurantes, um espaço para oficina automóvel, assim como uma zona de eventos e exposições.
O novo centro comercial, que promete 771 postos de trabalho directos, pretende atingir habitantes até 30 minutos do local, num total de 74 mil pessoas.
A abertura do Figueiras Retail Park está prevista para Outubro de 2008, sendo que a empresa promotora pretende iniciar as obras durante o mês de Julho.
A sua localização será junto ao mercado abastecedor, à saída para Beja.

Notícia de Maio de 2007

 

 

Sonae Sierra apresenta o seu projecto de centro comercial e lazer para Évora

  • Novo empreendimento incorporará a actual Galeria Modelo de Évora, reduzindo assim, de forma acentuada, a pressão sobre o comércio local

A  Sonae  Sierra,  especialista  em  centros  comerciais,  tem  em  fase  de  licenciamento  a construção de um novo centro comercial e de lazer na cidade de Évora, empreendimento que representará um investimento previsto de € 60 milhões e a criação de cerca de 1000 postos  de  trabalho,  contribuindo,  de  forma  decisiva,  para  modernizar  e  aumentar  a qualidade da oferta nas áreas do comércio e do lazer em toda a região.

O futuro centro comercial e de lazer da Sonae Sierra resulta do processo de deslocalização e expansão da actual Galeria Modelo de Évora, reduzindo assim, de forma acentuada, a pressão sobre o comércio local.

De facto, do total de  95 lojas previstas para o empreendimento e distribuídas por uma área brutal locável (ABL) de 25.310 m2, apenas 65 lojas serão verdadeiramente novas e o acréscimo de área comercial criado pelo novo centro não deverá ultrapassar os 12.000 m2, muito abaixo das áreas anunciadas por outros operadores para os seus projectos na mesma cidade.

Acresce  que,  no  cumprimento  de  uma  estratégia  fulcral  para  o  sucesso  dos  seus empreendimentos, a Sonae Sierra promoverá ainda, junto dos investidores/lojistas locais, a concessão de condições preferenciais de acesso ao futuro centro comercial e de lazer. A repetirem-se os valores médios verificados noutras localidades, é de crer que também em Évora venhamos a ter 25% a 30% dos lojistas oriundos de projectos locais de investimento, quer através de marcas próprias, quer através de franchisings.

Porque se trata de um projecto assente num profundo estudo de viabilidade económica condição imprescindível a qualquer empreendimento da Sonae Sierra - e no vasto knowhow do seu promotor, o futuro centro comercial e de lazer de Évora constituirá por certo um pólo de atracção não só para as insígnias nacionais e internacionais mais prestigiadas, mas também para muitos novos visitantes das regiões limítrofes, contribuindo assim para aumentar o tráfego de potenciais clientes junto do comércio tradicional do centro da cidade.

Parque Verde com 60.000 m2 e certificação desde a fase de obra

Com abertura ao público prevista para dois anos após a concessão das necessárias licenças de construção, o futuro empreendimento vai ser implantado num terreno com uma área total de  162.000 m2, sendo que a área de implantação do edifício é de 23.500 m2. De salientar que a Sonae Sierra irá submeter a autorização camarária a construção de um Parque Verde com  60.000 m2 na zona circundante do centro, área essa especialmente destinada ao lazer dos visitantes e dos próprios habitantes de Évora.

Possuidora de uma vasta experiência espelhada na detenção de 39 centros comerciais em Portugal, Espanha, Itália, Grécia e Brasil, bem como na gestão de mais de 2 milhões de m2 de área brutal locável (ABL) com mais de 7100 lojistas que atraíram mais de 400 milhões de  visitantes  em  2005,  a  Sonae  Sierra  está  apostada  em  fazer  do  seu  futuro  centro comercial e de lazer de Évora um novo caso de sucesso, oferecendo múltiplas vantagens aos seus potenciais clientes e ao próprio comércio já instalado na região.

Para  tanto,  a  Sonae  Sierra  não  poupará  esforços  no  sentido  de  dotar  o  futuro empreendimento das condições de excelência ao nível da inovação, qualidade, segurança e desempenho ambiental que constituem a imagem de marca dos projectos da empresa.

Daí que o projecto do centro comercial e de lazer de Évora cumpra, desde a fase de concepção, os mais rigorosos critérios de qualidade e respeito pelo ambiente à luz de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) que assegurará a certificação desde a fase de obra até à fase de operação. Refira-se que o SGA da Sonae Sierra foi recentemente certificado de acordo com a norma ISO 14001:2004, facto que garante vantagens significativas ao novo centro em termos de protecção ambiental e de excelência de serviço, contributos a que os eborenses não ficarão por certo indiferentes.

Notícia de Julho de 2006

 

Cinco projectos que fariam de Évora a capital do comércio a sul de Lisboa, já alguém viu começar alguma obra???

Pois é, assim passa o tempo em Évora...

Os Eborenses Conhecem-me...

05.08.09 | barak

José Ernesto diz que os eborenses o conhecem...

Em 2001 prometeu requalificar as Piscinas Municipais e a construção de novas piscinas na freguesia do Bacêlo...

Já lá foram?

Eu não... É porque não conheço o Dr. Ernesto...

Municípios de Évora e INALENTEJO formalizam financiamento para primeiros 12 projectos

05.08.09 | barak

Um centro social e outro para apoiar pequenas e médias empresas integram os primeiros 12 projectos de câmaras do distrito de Évora já aprovados pela associação de municípios local e financiados pelo Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN)

As 12 candidaturas, para nove concelhos, foram aprovadas pela Associação de Municípios do Distrito de Évora (AMDE), no âmbito do contrato de delegação de competências assinado com a Autoridade de Gestão do INALENTEJO 2007-2013.

A AMDE revelou hoje que este «pacote» de projectos envolve um investimento superior a 10 milhões de euros, dos quais cerca de seis milhões financiados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

A sessão pública de assinatura destes contratos de financiamento decorre quinta-feira, em Évora, com a presença do secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Rui Baleiras.

O presidente da AMDE, Jerónimo Lóios, disse hoje à agência Lusa que as primeiras 12 candidaturas aprovadas traduzem o «bom esforço e rápido trabalho desenvolvido pelos municípios» da região.

«Quase que poderia adiantar que a AMDE e os municípios do distrito conseguiram colocar-se numa posição muito adiantada em termos nacionais e estes são dos primeiros projectos cujo contrato de financiamento vai ser assinado», disse.

As candidaturas integram quatro regulamentos específicos do programa operacional INALENTEJO - dois de Mobilidade Territorial Urbana e Rodoviária, o de Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística e o referente a Equipamentos para a Coesão Local.

«Procurámos ligar duas vertentes. O acolhimento de projectos de cada município, mas sempre numa lógica de coesão territorial para os 14 municípios do distrito, com projectos coordenados entre si e complementares», explicou.

A construção de um Centro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, em Montemor-o-Novo, e de um Centro Social em Monte do Trigo, concelho de Portel, são dois dos projectos que vão avançar, tal como um pavilhão gimno-desportivo em Alandroal e pistas cicláveis em Vendas Novas.

A beneficiação da rede viária municipal de Estremoz e de outras estradas e caminhos municipais nos concelhos de Évora, Portel, Mourão e Reguengos de Monsaraz, assim como a segunda fase da via circular ponte à vila de Redondo, são as outras das acções.

No global, até 2013, a delegação de competências estabelecida entre o INALENTEJO e a AMDE prevê cerca de 58 milhões de euros de financiamento do FEDER e, desde o mês passado, está aberto novo período para candidaturas dos municípios.

«Há ainda cinco municípios do distrito que não têm qualquer candidatura aprovada, mas está aberto este novo prazo, durante um ano, e à medida que forem apresentados mais projectos vamos aprová-los, depois de possuírem o parecer do secretariado técnico que os analisa», frisou.

Para a celebração do contrato de delegação de competências no quadro do QREN, a AMDE apresentou um Programa Territorial de Desenvolvimento para o Alentejo Central, que comporta as opções estratégicas de desenvolvimento e os projectos estruturantes que interessa desenvolver.

Lusa/SOL


 

CP investe 380 mil euros para estudar reformulação geral dos horários

03.08.09 | barak

Chama-se "Impulso", vai custar 380 mil euros e serve para melhorar a oferta ferroviária a nível nacional da CP. O estudo, em curso, foi adjudicado a um consórcio formado pela Ferbritas, uma afiliada da Refer, e pela SMA und Partner AG, uma empresa suíça especializada em transporte e tráfego.

"Pretendemos uma reformulação geral da rede para melhorar os enlances (correspondências) e ter uma perspectiva mais comercial, numa lógica de oferta geral do serviço e mais de acordo com a procura", disse ao PÚBLICO o presidente da CP, Cardoso dos Reis.

O administrador diz que gostaria de pôr em prática horários cadenciados (famílias de comboios com passagens aos mesmos minutos em cada estação) e reduzir os transbordos e os tempos de espera nas estações.

Outro dos objectivos deste estudo é diminuir as perturbações que existem na Linha da Cintura, onde circulam comboios de dois operadores diferentes (CP e Fertagus), optimizar a relação directa Porto-Faro (que é feita em seis horas, mas pode ser reduzida) e melhorar a fiabilidade do serviço Tomar-Lisboa.

Reclamações dos clientes

Cardoso dos Reis diz que as alterações em estudo têm em conta, na medida do possível, as reclamações dos clientes, "apesar de eles não terem - nem têm que ter - a visão geral do sistema". Muitas sugestões não podem ser postas em prática, porque mexer num horário de um comboio repercute-se nos restantes.

O "Impulso" deverá estar concluído antes do fim do ano e o presidente da CP diz que gostaria de adoptá-lo já para o horário de Inverno (que começa em Dezembro), mas reconhece algumas dificuldades "por causa do estrangulamento da Trofa", um curto troço de via única na linha do Minho que tem implicações nas relações do Porto para Guimarães, Braga, Viana e Valença. Este problema só estará resolvido no início de 2010, quando estiver terminada a construção de uma variante.

Cardoso dos Reis diz que não foram feitas estimativas do impacto nas receitas que a aplicação dos novos horários poderá gerar, mas que há exemplos na Suíça em como os horários integrados se traduzem num aumento da procura e da complementaridade entre os meios de transporte.

Os actuais horários da CP obedecem a uma lógica de itinerários, linha a linha, ignorando as potencialidades do funcionamento em rede onde os passageiros podem ir de todas as origens para todos os destinos com ligações directas ou com um número mínimo de transbordos.

Na ferrovia portuguesa não há, por exemplo, comboios directos da Beira Alta e da Beira Baixa para a Região Norte, nem de Évora ou Beja para o Algarve. De Leiria para o Porto é preciso apanhar três composições e no Minho a CP obriga os passageiros a mudarem de comboio em Nine.

Na linha do Douro já quase não é possível viajar directamente do Porto para o Pocinho e na própria Linha do Norte os comboios regionais não passam de Aveiro, obrigando os passageiros que queiram seguir viagem a fazer transbordo naquela estação.

Évora: Candidato do PSD quer o concelho mais atractivo e competitivo em termos territoriais

03.08.09 | barak

O candidato do PSD à Câmara de Évora, António Dieb quer um concelho mais atractivo e competitivo em termos territoriais. Para isso, o actual vereador social-democrata elegeu quatro grandes eixos prioritários. Depois de formalizar a sua candidatura no Tribunal da Comarca de Évora, o candidato garantiu que não vai fazer uma única promessa durante a campanha. O antigo governador civil de Évora, Luís Capoulas, é o mandatário da candidatura do PSD à Câmara de Évora e o gestor Pedro Giões é o cabeça de lista à Assembleia Municipal. Quanto à lista concorrente à Câmara Municipal, fazem parte Luís Sebastião, Mariana Paços, Filipe Nogueira Alves, Paulo Jaleco, Maria Inês Batista, Carlos Almeida, António Sousa, Helena Perdigão Bruno e Gaudêncio Cabral.

Extorquiu cinco mil euros

02.08.09 | barak

Um homem, de 31 anos, foi detido pela PSP de Évora por suspeitas de crime de extorsão. Há vários meses que o suspeito ameaçava um comerciante daquela cidade, exigindo em troca quantias em dinheiro. Terá conseguido cinco mil euros por este método até ter sido apanhado em flagrante.



 

"Dizia que lhe destruía o estabelecimento comercial e que o ia agredir se não lhe fosse entregue dinheiro. Foi detido em flagrante quando se preparava para receber 900 euros", disse ao CM fonte da PSP de Évora.

O suspeito foi ontem ouvido no tribunal de turno, em Montemor-o--Novo. Este é o segundo caso do género em menos de uma semana na área do Comando Distrital de Évora da PSP, tal como foi noticiado ontem pelo CM.

Pág. 7/7