Quarta-feira, 13 de Abril de 2011

Évora: Universitários protestam contra regime de bolsas

Promovida pela Associação Académica da Universidade de Évora (AAUE), a iniciativa arrancou no Colégio do Espírito Santo, o principal edifício da academia, passou pelo Colégio Luís Verney, Praça do Giraldo e em frente à Câmara Municipal, terminando no Governo Civil, onde foi entregue um manifesto. 

O presidente da AAUE, Luís Rodrigues, afirmou à agência Lusa que o protesto, que juntou cerca de 80 estudantes, serviu para "alertar, mais uma vez, o Governo para o problema que existe no Ensino Superior em relação às bolsas de estudo".  

"Temos imensos estudantes que ainda não receberam bolsas, outros que estão à espera de saber se vão receber e outros que já receberam parte da bolsa e que, neste momento, não estão a receber porque [os pagamentos] estão  atrasados", adiantou.  

De acordo com o presidente da AAUE, em Évora, foram apresentadas "1 815 candidaturas a bolsas de estudo e dessas, neste momento, mais de 300 estão em fase de análise", um número "bastante considerável" quando faltam três meses para o fim do ano lectivo.  

Alertando que alguns estudantes da academia alentejana já "vivem em condições difíceis", Luís Rodrigues revelou que algumas dezenas até já recorreram à AAUE devido às dificuldades económicas que enfrentam.  

Esses estudantes, acrescentou, "foram encaminhados para o serviço de acção social para activar um auxílio de emergência, que é uma figura que está prevista nos regulamentos das bolsas, em que é possível entregar aos estudantes um apoio extraordinário para os ajudar".  

Numa altura em que o País possui um Governo de gestão, o presidente da AAUE afirmou que o protesto serviu também para "deixar uma mensagem ao próximo Governo", de que "o Ensino Superior é um investimento não é um gasto". 
 
Luís Rodrigues adiantou ainda que um estudo feito, recentemente, pelos  erviços académicos da Universidade de Évora indica que, só neste ano lectivo, houve "mais de 50 pessoas que desistiram" do curso, sendo os motivos financeiro a razão relatada.  

"Houve também um total de 200 e poucas desistências no ensino universitário em Évora em que foram relatados motivos pessoais, mas nós não sabemos qual é o motivo pessoal. Há a referir também todos aqueles que simplesmente saíram do sistema e esses não sabemos quantos foram", apontou.

publicado por barak às 14:39
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Se eu fosse presidente da...

. Évora: Pais e alunos cont...

. Paulo Macedo garante anal...

. Polémica: Autarca de Évo...

. M'ar de arAqueduto. Uma e...

. Requalificação do IP8 e I...

. Évora renegociou contrato...

. Alentejo tem novo canal d...

. Évora: Embraer amplia áre...

. FAM - PCP culpa PS por mu...

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Janeiro 2014

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds