Sábado, 6 de Setembro de 2014

Se eu fosse presidente da Câmara de Évora

Trasnsportes e Estacionamento (PRIORIDADES):

 

. Pressionar o governo no sentido de concluír a rede viária principal do concelho, nomeadamente: 

 

- Conclusão do IP2 entre São Manços e o nó Évora Nascente da A6

- Construção do IC33 entre Évora e Sines

- Duplicação das vias na N114 entre o nó Évora Poente da A6 e o início da área urbana junto ao ÉvoraHotel

- Duplicação das vias na N18 entre o nó Évora Nascente da A6 e o início da área urbana (entrada de Estremoz)

 

. Construção da Variante Norte a Évora

 

. Repavimentação de vias degradadas em todo o concelho

 

. Reconfiguração das vias de acesso às freguesias do Bacêlo e Canaviais, tornando-as vias urbanas com passeio para peões

 

. Parque de estacionamento subterrâneo junto à Porta de Alconchel

 

. Parque de estacionamento subterrâneo junto à Porta de Aviz

 

. Requalificação de todos os parques de estacionamento municipais

 

. Colocação de semáforos no cruzamento junto à Rodoviária do Alentejo (Avª São Sebastião)

 

Estas são as prioridades, muito mais há a fazer... 

publicado por barak às 22:52
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Évora: Pais e alunos contra eventual fecho escola de equitação da GNR

Pais e alunos da escola de equitação do Comando Territorial de Évora da GNR estão contra o seu eventual encerramento.

Em causa está a suspensão das inscrições, por motivo de encerramento da escola, conhecida no início da semana, segundo Augusto Balça, porta-voz do grupo de pais.

Os pais manifestaram imediatamente a sua indignação”, afirmou.

O responsável adiantou que os pais já questionaram, através de carta, o Comando-geral da GNR, mas ainda não obtiveram uma resposta.

Temos de continuar a mobilizar-nos para sensibilizarmos o Comando-geral da GNR a repensar a decisão”, disse.

A GNR explica que não existe qualquer decisão ou ordem para o encerramento da escola de equitação do Comando de Évora da GNR e que está “em fase de estudo a reorganização do dispositivo a cavalo” da força de segurança.

A Escola de Equitação do Comando Territorial de Évora da GNR tem 30 anos de atividade e conta com mais de 100 alunos.

publicado por barak às 00:30
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 5 de Setembro de 2014

Paulo Macedo garante analisar falhas da viatura de emergência médica de Évora

O ministro da Saúde assegurou nesta sexta-feira que o caso que envolve a viatura médica de emergência e reanimação (VMER) de Évora "vai ser analisado", frisando que a sua inoperacionalidade não impede que sejam accionados os meios alternativos de socorro.

"Há uma coisa que é muito importante: os meios de socorro existem e os meios alternativos existem. Por isso é que se vai analisar o caso para ver se os meios foram os necessários e os adequados", disse aos jornalistas Paulo Macedo durante uma visita ao hospital de Portimão.

O ministro sublinhou que o importante é ninguém ficar sem socorro.

"Claramente que não podemos ter falhas deste tipo e temos de ver como é que vamos sistematicamente melhorando", sublinhou.

O governante revelou que tem informações de que as escalas dos profissionais das viaturas de emergência estão todas preenchidas para o mês de Setembro, indicando que a operacionalidade das VMER é de 98%.

"A operacionalidade nunca foi tão grande como hoje em dia", destacou.

Também hoje, o secretário de Estado Adjunto do ministro da Saúde, Fernando Leal da Costa, disse, em Lisboa, que o caso da inoperacionalidade da VMER do hospital de Évora é "motivo de preocupação", referindo que os problemas "têm vindo a diminuir de forma muito acentuada".

Este tratou-se do terceiro caso conhecido, em menos de um ano e envolvendo vítimas mortais, em que a VMER de Évora está indisponível para uma situação de emergência, depois de, em Abril deste ano, não ter participado no socorro a dois homens que sofreram um acidente, perto de Reguengos de Monsaraz, e que acabaram por morrer.

Também no dia 25 de Dezembro de 2013, a VMER estava inoperacional quando um acidente na Estrada Nacional (EN) 114, entre Évora e Montemor-o-Novo, que envolveu dois automóveis e um cavalo, provocou quatro mortos e quatro feridos graves.

publicado por barak às 20:43
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 4 de Setembro de 2014

Polémica: Autarca de Évora diz ser "inaceitável" falha da VMER

O presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, considerou hoje "absolutamente inqualificável e inaceitável" a inoperacionalidade da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do hospital da cidade, sobretudo quando a situação se "repete regularmente".

 

"Já tomámos uma posição firme sobre esta matéria, denunciando uma situação que é absolutamente inqualificável e inaceitável, sobretudo quando se repete regularmente", afirmou o autarca comunista, em declarações à agência Lusa.

 

 

A VMER de Évora estava inoperacional na passada terça-feira, por falta de recursos humanos, quando foi chamada a socorrer um doente em paragem cardiorrespiratória, que acabou por morrer. Para Carlos Pinto de Sá, "não é admissível que a VMER, que serve exatamente para casos de emergência, não esteja em condições operacionais para responder a esses casos".

Segundo o autarca, a situação "decorre pura e simplesmente de políticas que têm em vista cortes orçamentais".

"Se o problema não for resolvido, vai continuar a repetir-se, o que é lamentável, para além de ser um atentado aos direitos dos cidadãos", alertou.

Além de um processo de averiguações aberto pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo, também a Inspeção Geral das Atividades em Saúde (IGAS) está a investigar o caso, adiantou à Lusa fonte do Ministério da Saúde.

Este é o terceiro caso conhecido, em menos de um ano e envolvendo vítimas mortais, em que a VMER de Évora está indisponível para uma situação de emergência, depois de, em abril deste ano, não ter participado no socorro a dois homens que sofreram um acidente, perto de Reguengos de Monsaraz, e que acabaram por morrer.

Também no dia 25 de dezembro de 2013, a VMER estava inoperacional quando um acidente na Estrada Nacional (EN) 114, entre Évora e Montemor-o-Novo, que envolveu dois automóveis e um cavalo, provocou quatro mortos e quatro feridos graves.

No caso de terça-feira, fonte do hospital de Évora indicou à Lusa que "não tendo sido possível garantir a operacionalidade" da VMER, "o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) foi informado para que pudesse ativar os outros meios disponíveis na área".

A mesma fonte garantiu que a unidade hospitalar "tem feito, até à data, todos os esforços" para "completar todos os turnos e garantir a maior operacionalidade possível da VMER".

João Caraça, adjunto do comando dos Bombeiros de Évora, explicou à Lusa que a corporação foi solicitada, na terça-feira de manhã, para "uma paragem cardiorrespiratória, num bairro limítrofe da cidade".

"Ao chegarmos ao local, verificámos que era de facto uma paragem cardiorrespiratória e pedimos apoio diferenciado, mas o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) informou-nos que iniciássemos manobras e que transportássemos a vítima para o hospital", referiu.

O responsável adiantou que elementos da corporação transportaram o homem de 64 anos em paragem cardiorrespiratória "até ao hospital em manobras" e que, passado algum tempo, foram "informados que a vítima tinha falecido".

publicado por barak às 17:50
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 3 de Setembro de 2014

M'ar de arAqueduto. Uma espécie de Caraíbas sem areia nem água

Por Miguel Branco

 

No centro histórico de Évora há um retiro de excelência para tempos em que o relógio é a última variável a ter em conta. Miguel Branco foi a todas, das iguarias regionais no Degust’AR à massagem no SPA. Mais uns dias e habituava-se a isto

Subitamente, a vida parece fácil e o mundo é um espanto. Isto, claro está, do lado de dentro do hotel M'AR de AR Aqueduto, em pleno centro histórico de Évora. Sobretudo depois de uma sexta-feira em que o trânsito de Lisboa para o sul resultou numa chegada tardia, entrar nas paredes do antigo Palácio dos Sepúlveda é um fôlego de tranquilidade e requinte. Do edifício quinhentista o hotel mantém a fachada principal, uma capela, os tectos em abóbada em certas áreas e três janelas manuelinas. Tudo está arrumado ao detalhe, num confronto entre o presente e o passado. Em resumo: o paraíso existe e não está assim tão longe.

O Degust'AR conta com a assinatura do Chefe António Nobre, e é detentor de uma cozinha que tem tanto de cuidado como de qualidade, numa espécie de fusão entre o mediterrânico e os produtos tradicionais alentejanos e eborenses - que, no fundo, são as grandes estrelas da companhia. A estadia, num dos dois quartos SPA, que se situam no piso -1, e que estão integrados nos 220m2 de área do SPA. A cama é perigosa ao ponto de não aconselharmos sestas porque é bem provável que só acorde no dia a seguir. O terraço com vista para um jardim de laranjeiras e duas espreguiçadeiras espaçosas é perfeito para um lanche ao final da tarde, ou para uma leitura matinal. E, o melhor de tudo, é que o amplo quarto conta com uma banheira circular de hidromassagem, ou seja, é como estar no SPA sem sair do seu quarto e ninguém a incomodá-lo. Apetece dizer: "O que é que quer mais?".

Era sexta-feira, mas no Degust'AR nunca é tarde para jantar, que é como quem diz que às 22h30 a coisa ainda se arranja, e de que maneira. Portanto é largar as malas - não sem antes ficar pasmado com a descrição do quarto que já fizemos anteriormente - e sentar à mesa para dar ao dente. O couvert depressa indica que aqui nada é ao acaso. Azeitonas marinadas, variedades de pão alentejano, azeite virgem e manteigas aromatizadas (3€). A falha maior de quem escreve estas páginas é não ser apreciador de vinho - a cara de desilusão de uma das empregadas de mesa do Degust'AR quando dissemos "pode ser antes cerveja", deixou-nos cabisbaixo. Mal sabia a simpática senhora o que estava para vir, é que a esquisitice só nos apanha nas bebidas.

Esfregámos as mãos, colocamos o guardanapo no colo e cá vai disto, uma ofensiva com classe e estilo como qualquer bom garfo que vê chegar à sua mesa Cogumelos Frescos à Desgut'AR (trabalhados com vinho e orégãos, 8€), Queijo de Évora gratinado com azeite e orégãos (um manjar dos deuses alentejanos, 7,50€) É certo que foi a dividir por dois, mas já dá um belo avanço para o que se segue - sobretudo quando a outra pessoa à mesa é uma rapariga com bom paladar mas estômago curto. O couvert e as entradas foram apenas a primeira parte do patrão desta ementa: o menu Degustação. O prato de peixe não deu hipótese a nada do que se seguiu. O robalo do mar corado em azeite e alho com puré de aipo e legumes grelhados (20€) desfaz-se na boca como se de uma mousse se tratasse. O naco de lombo de novilho com crosta de farinheira, ragoût de batata com cogumelos frescos, folhas de espinafres e castanhas confitadas (19€) estava um mimo, mas não abafou o nosso querido robalo. Terminámos em grande com a sericá com ameixa d'Elvas (6€) e com a Encharcada do Convento de Sta. Clara (5,50€).

Não falar mais de comida. É esta a nossa proposta para o que resta do artigo - até aqui tinha que ser. No dia seguinte o dia começa com a certeza que fazemos parte da realeza para dormir numa suite destas. Combinámos com o Dr. Luís Marcão, Director do grupo M'AR De AR Hotels, às 11h para espreitar os cantos à casa. Quantos mais quartos víamos - Clássico, Superior e Suite - mais entendíamos que o Quarto SPA, onde ficámos alojados, é o topo disto tudo. A volta de reconhecimento passou ainda pelo B'AR Aqueduto, onde mais à noite bebemos um gin para dormir mais descansados, pelas salas de reunião de enorme dimensão e com capacidade para receber conferências, colóquios, tudo.

Mais do que o luxo, o M'AR de AR Aqueduto é o conforto. Algo que comprovamos na relaxada tarde que passámos na piscina do hotel, encravada entre jardins e com vista para o Aqueduto da Água de Prata.

Antes disso, houve ainda tempo para conhecer o outro hotel do grupo, o M'AR de AR Muralhas, situado junto às muralhas da cidade, como o nome indica. Não tem as cinco estrelas do seu irmão - tem "apenas" quatro - mas é belo como tudo, com a piscina num jardim que assume a forma de uma espécie de vale com as muralhas em plano de fundo. Troca o rústico pelo moderno, é um recanto de charme - outro - no centro de Évora.

No dia seguinte é dia de partida. Chamem alguém com força para nos expulsar do quarto, daqui não saímos, daqui ninguém nos tira. Quem nos dera.

publicado por barak às 00:33
link do post | comentar | favorito

Requalificação do IP8 e IP2 foi anunciado para Julho mas ainda não começou

No final de Maio e na sequência das negociações entre a Sociedade Portuguesa de Exploração Rodoviária (SPER), que detém a subconcessão rodoviária do Baixo Alentejo, e a concessionária Estradas de Portugal (EP) foi anunciado que “algumas obras” que estão paradas desde 2011 seriam retomadas em Julho.

Aproxima-se o final de Agosto e a garantia dada não está a ser cumprida. O PÚBLICO percorreu os traçados do IP8 entre Santa Margarida do Sado e Beja e do IP2 entre Castro Verde e São Manços/Évora e não observou qualquer movimento de máquinas ou a presença de quaisquer trabalhadores.

No caso do troço do IP8 entre Vila Nova de Santo André e Sines, o presidente da Câmara de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha, queixou-se recentemente das “parcas” condições de segurança de um conjunto de infra-estruturas que estão “abandonadas e a degradarem-se” na estrada onde as obras foram suspensas e do “elevado tráfego diário” que se verifica na via que está em serviço.

As preocupações acerca das condições de segurança são igualmente partilhadas pelo presidente da Câmara de Castro Verde, Francisco Duarte. O autarca salienta que as estradas existentes “não têm condições de circulação normal”. E deixa um alerta: se as obras no pavimento do IP2 não arrancarem rapidamente e se o próximo inverno for rigoroso, a estrada actual “torna-se intransitável”.

O deputado do PCP João Ramos reforça as críticas dos autarcas lembrando que, em Março de 2013, representantes da EP assumiram perante a Comissão de Economia e Obras Públicas da Assembleia da República que, até ao final desse mês, as autarquias da região e a Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo “teriam um acordo de renegociação da concessão com a subconcessionária e haveria condições de avançar com as obras”. 

Uma garantia semelhante foi dada em Maio deste ano, mas o arranque dos trabalhos “ está por concretizar” disse ao PÚBLICO o deputado comunista, revelando que já endereçou à presidente da Assembleia da República um requerimento em que pergunta ao Governo para “quando está prevista a conclusão dos diferentes troços”.

Em resposta a perguntas do PÚBLICO, a EP, sem indicar qualquer data para o reinício dos trabalhos, diz que o “novo acordo” com a SPER estabelece que os pagamentos a fazer à subconcessionária ao longo de um período de 25 anos terão “início apenas em 2015 e após a conclusão das obras”. 

A EP acrescenta que “tudo tem sido feito” para que o projecto, “agora mais adequado à realidade e necessidades da região e do país, seja concretizado” permitindo “poupanças estimadas, a preços correntes de 944 milhões de euros, cerca de 50% do total previsto” para a requalificação dos traçados do IP8 e IP2.

publicado por barak às 00:29
link do post | comentar | favorito

Évora renegociou contrato com TREVO

A autarquia de Évora renegociou o contrato de concessão dos transportes públicos da cidade (TREVO), com o objetivo de reduzir os encargos mensais que o município tinha com os transportes. Desta forma, a autarquia conseguiu poupar no total, cerca de 2,5 milhões de euros, reduzindo para menos de metade a fatura mensal anteriormente paga. 
Carlos Pinto de Sá, presidente da Câmara Municipal de Évora, afirma que "conseguimos um acordo que é positivo, tendo reduzido a fatura para menos de metade, uma vez que passamos a pagar 35 mil euros por mês. O serviço público mantém-se, mas as carreiras em vez de passarem pela mesma paragem de sete em sete minutos passam de 15 em 15 minutos. Acabámos com as carreiras com menos de 40 utentes por ano".
por: Miguel Ribeiro Pedras
publicado por barak às 00:26
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Se eu fosse presidente da...

. Évora: Pais e alunos cont...

. Paulo Macedo garante anal...

. Polémica: Autarca de Évo...

. M'ar de arAqueduto. Uma e...

. Requalificação do IP8 e I...

. Évora renegociou contrato...

. Alentejo tem novo canal d...

. Évora: Embraer amplia áre...

. FAM - PCP culpa PS por mu...

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Janeiro 2014

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds