Quinta-feira, 31 de Dezembro de 2009

2010

Um excelente ano de 2010 para todos!

publicado por barak às 14:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Évora: Hoteis esgotam e esperam-se 3.000 no Rossio de S.Brás

A Associação PédeXumbo e a Pachamama, uniram-se para proporcionar um Festival de Passagem de Ano no Rossio de S. Brás em Évora. O Festival de música ao vivo vai decorrer na noite de Quinta Feira e prolonga-se por Sexta e Sábado. O tempo tem sido prejudicial para o festival, mas a associação espera cerca de três mil pessoas. Em Évora há outras propostas. Todos os hotéis criaram programas para a passagem de ano e que já esgotaram. A entrada em 2010, naquele que foi o primeiro cinco estrelas do Alentejo, é feita com uma viagem a Goa e assinala os 500 anos da conquista deste território. Uma festa que começa cedo, contou Dinis Pires, Director do Hotel Convento do Espinheiro à DianaFM.

publicado por barak às 14:51
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2009

Alentejo espera que passagem de ano seja "bom período" turístico

A passagem de ano promete ser "um bom período" turístico para o Alentejo, afirmou hoje o presidente da Entidade Regional de Turismo, Ceia da Silva, indicando que várias unidades hoteleiras da região estão "praticamente cheias".

Destak/Lusa | destak@destak.pt
 

"As perspectivas para a passagem de ano são boas. Este vai ser um bom período", frisou à agência Lusa o responsável da Turismo do Alentejo.

Segundo Ceia da Silva, os hotéis que registam maior ocupação situam-se nas zonas que, tradicionalmente, recebem maior número de turistas, como os casos de "Évora, Castelo de Vide e Tróia".

"Mas há ainda alguma disponibilidade para reservas, pelo que os portugueses podem visitar o Alentejo para festejar o novo ano e aproveitar para recarregar baterias", convidou.

Em Évora, o hotel Convento do Espinheiro, de cinco estrelas, já está esgotado para a última noite deste ano e para a primeira de 2010 e a "maior parte" dos clientes são portugueses, embora também acolha turistas "espanhóis e americanos", disse o director da unidade, Dinis Pires.

"Sabores de Aquém e d'Além Mar" é a designação do programa de animação com que o hotel vai celebrar a passagem de ano, propondo aos clientes, acrescentou, "uma viagem de sabores e sons" inspirada nos "500 anos da conquista de Goa, que se assinalam no próximo ano".

Quanto aos hotéis M'AR de AR de Évora, o Muralhas (quatro estrelas) e o Aqueduto (cinco estrelas), o director comercial, Pedro Salazar, adiantou que o primeiro "está completo" e o segundo "ainda tem alguns quartos disponíveis".

Os clientes, na maioria nacionais, vão poder desfrutar de um jantar no Aqueduto, mas a festa de "reveillon" acontece no Muralhas, com música ao vivo e DJ's.

Em Castelo de Vide, o hotel Sol e Serra está com uma taxa de ocupação na ordem dos "90 por cento", mas até quinta-feira deverá ficar completo, disse fonte da unidade hoteleira.

A Pousada de Flor da Rosa, no Crato, e o hotel rural da Lameira, em Alter do Chão, encontram-se esgotados, acolhendo maioritariamente turistas portugueses.

No Baixo Alentejo, três das principais unidades hoteleiras têm programas especiais de fim de ano, que captaram sobretudo turistas nacionais.

O hotel rural Vila Galé Clube de Campo, perto de Beja, está "completo" e Pousada de São Francisco, no centro da cidade, "ronda os 80 por cento", alimentando a "expectativa" de esgotar, enquanto que a Estalagem de São Domingos, na Mina de São Domingos (Mértola), está também quase cheia.

No Litoral Alentejano, a Lusa procurou obter dados, sem sucesso, junto de hotéis de Tróia (Grândola), mas apurou que, nos concelhos de Sines e Santiago do Cacém, as expectativas não são muito elevadas.

Em Santiago do Cacém, a taxa de ocupação do hotel Caminhos de Santiago não deve ultrapassar os "35 por cento" e a do Vila Park deve ficar com metade dos quartos ocupados, sendo semelhante o panorama no Hotel Sinerama, de Sines.

publicado por barak às 20:59
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 29 de Dezembro de 2009

Évora-Balanco do ano 2009

Sinceramente, basta-me copiar e colar o post do ano passado, nada mudou...

 

Nesta época do ano é altura de fazer um balanço do que se passou durante estes doze meses...

No que à cidade de Évora diz respeito, muito aconteceu a merecer nota:

 

-Abertura da Biblioteca e Arquivo Municipal

-Inauguração do Complexo Desportivo Municipal

-Recuperação da Mata e Jardim Público

-Recuperação das Piscinas Municipais

-Abertura do Évora Fórum

-Recuperação do Salão Central Eborense

-Construção da Circular Nascente

-Construção da fábrica de aviões Skylander (neste momento é a Embraer)

-Novo Parque de Feiras e Exposições

-Recuperação do Rossio de São Brás

 

Estes são apenas alguns exemplos do que aconteceu este ano em Évora, muito mais foi feito mas o enumerado acima foi o mais importante!

 

(Ilusão,a melhor forma de encarar a vida...) 

 

publicado por barak às 21:50
link do post | comentar | favorito

Petição-Lembra-se Sr, Presidente? II

Transcrição de uma parte da reunião de câmara, de 10 de setembro de 2008, sobre a instalação dos espaços comerciais em Évora, que teriam criado centenas de postos de trabalho no concelho...

  Sr. Presidente da Câmara começou por dizer que esta proposta foi retirada da últimaSra. Vereadora Jesuína Pedreira começou por solicitar que o Sr. PresidenteSr. Presidente da Câmara começou por dizer que pensava que a informação estavaSra. Vereadora Jesuína Pedreira disse ter pensado não ser preciso voltar a esta“…tendo em conta tratar-se de documentos muitoOu seja, em 10 de Julho, apenas foi dado“…trata-se de uma temática muito importante, pelo que exige uma reflexão “Propõe-se a aprovação, mas“…enquanto eu for Presidente, nunca porei à “apenas um projecto de âmbito regional deve merecer parecerJá está dado, existe, o processo está licenciado, não há forma deSenhora Vereadora Filomena Araújo disse estar perplexa com a situação, ou nãoSr. Vereador António Dieb começou por dizer que se estava prestes a cair numa“A GECIC desenvolveu o Estudo, retirando“…a cidade de Évora “…sendo a localização um factor de primordial”. Está aqui a ser dito que tudo quanto existe é mau, pelo que a sua“…uma localização mais central seria benéfica para o comércio do centroe continua com recomendações “…a implantação de um empreendimento Sra. Vereadora Jesuína Pedreira em resposta à Sra. Vereadora Filomena Araújo,“… sendo a localização deNoutra parte do texto, é“… uma realidade mais central seria mais benéfica para oIsto significa que a situação ideal é que já não se consegue ter, pois partiu-se“…no sentido de mobilizar o potencial de modernização qualificadorreferindo de seguida as seguintes:Sr. Presidente da Câmara voltou a frisar que apenas se submete ao que considera serSra. Vereadora Jesuina Pedreira interveio no sentido de deixar claro que a suaSr. Vereador Manuel Melgão começou por dizer que tem o estudo na sua frente e nãoSr. Presidente da Câmara referiu que, seguindo a lógica da Sra. Vereadora Jesuína, háSra. Vereadora Jesuína Pedreira usando a informação disponibilizada pelos serviçosSr. Presidente da Câmara relembrou que, quer o Feira Nova, quer a SONAE, tinhamSr. Vereador António Dieb começou por dizer que estão confrontados com a“Propõe-se aA conversa que está a decorrer, há mais de uma hora,Sr. Presidente da Câmara considerou que, não havendo contradição no que o Sr.“Propõe-se a provação das linhas de orientação estratégicasO corpo da proposta. O Relatório produzido pelo Director do DDE, retira-seSr. Vereador António Dieb interveio para deixar registado em acta que retirar o Que fique claro que o que foi votado com estas últimas Consideramos que o processo apresentado no final do anterior Começo por me congratular por, numa matéria tão sensível e que

Os serviços apresentaram a seguinte proposta:

“Para deliberação.

Propõe-se a aprovação das linhas de orientação estratégicas decorrentes do estudo de

Avaliação dos Impactos dos Centros Comerciais na Cidade de Évora, promovido pela

Câmara Municipal de Évora e produzido pela GECIC – Grupo de Estudos Cidade e

Comércio da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

1. Na sequência do pedido de instalação de um Conjunto Comercial designado por

Évora Fórum, requerido pela Imoavril e depois de emitidos os pareceres pelas

entidades competentes nos termos da Lei, a Comissão Regional de Licenciamento

Comercial do Alentejo Central, aprovou a instalação do referido Conjunto Comercial

Évora Fórum em 9 de Setembro de 2005.

2. No entanto, outras intenções de instalação de conjuntos comerciais se verificaram,

entre elas: - ampliação do Centro Comercial Modelo, Ampliação do Feira Nova –

Fórum Évora, Figueiras Retail Park – Évoraboulevard, Moviflor – Évora Retail Park,

pelo que, perante a grandeza e volume de intenções, e face às preocupações que as

mesmas levantavam sobre os impactos que viessem a gerar na economia local, e em

sectores específicos da actividade económica, com especial relevância, no comércio

tradicional, decidiu a Câmara Municipal de Évora, promover um estudo de Avaliação

dos Impactos dos Centros Comerciais na Cidade de Évora.

3. Para o efeito, a Câmara Municipal de Évora, promoveu uma consulta às seguintes

entidades: Universidade Católica, Universidade de Évora, Instituto Superior de

Economia e Gestão, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa – Grupo de

Estudos Cidade e Comércio (GECIC), Universidade Nova e Associação Portuguesa

para o Desenvolvimento Regional.

4. Das entidades consultadas apresentaram propostas: a Universidade Católica, a

Universidade de Évora e a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa – Grupo

de Estudos Cidade e Comércio (GECIC), tendo o Estudo sido adjudicado a esta

última entidade, pelo montante de 37.600€, acrescido de IVA, conforme decisão

tomada em Reunião Pública de Câmara de 27 de Setembro de 2006.

5. A GECIC desenvolveu o Estudo adjudicado, tendo apresentado um relatório de

Progresso, um Relatório Final e um Sumário Executivo, cujos conteúdos são para

apreciação e deliberação de aprovação.”

Intervenções:

O

reunião de Câmara, a pedido da Sra. Vereadora Jesuína Pedreira, e de acordo com a sua

solicitação foram elaborados dois quadros demonstrativos da situação de todos os processos

entrados na Câmara, quer no que respeita a lojas de grande superfície, quer no que concerne

a centros comerciais.

109

Espera que a Câmara assuma as conclusões propostas, para que possa dar orientação a

este tema que, há muitas reuniões, ocupa a reflexão do Executivo.

A

concretizasse quais as linhas de orientação, porque de algum tempo a esta parte tem sido

lembrado que foram solicitados dois documentos. Um está disponível e é a matriz dos

diferentes empreendimentos. O outro documento solicitado, e usando as palavras do Sr.

Vereador António Dieb, foi solicitado pela bancada da CDU tendo o pedido sido acolhido

por todos, seria elaborado em forma de normativo ou outra, transpondo as conclusões do

Estudo, aceites por todos, permitindo de forma clara e simples, conhecer as opções

estratégicas.

Esse documento continua a não existir. Por essa razão, solicitava que o Sr. Presidente

explicasse, concretamente, quais as linhas de orientação que propõe para a votação.

O

reunida e que todos os Vereadores tinham toda a informação.

É presente à Câmara a proposta dos Serviços, do Departamento de Desenvolvimento

Económico, que nas páginas 9, 10 e 11 tem um conjunto de orientações que terminam com

recomendações. Essa é claramente uma matéria em discussão.

A seguir, da equipa de urbanistas que liderou o processo de revisão do PDM, a Prof.ª

Margarida Souza Lobo faz uma apreciação dos processos, numa perspectiva de como se

conformam com a evolução urbana da cidade de Évora, o seu impacto e evolução futura em

termos de ordenamento do território. Na página 5 do respectivo estudo, aparece uma

conclusão que aponta como resultado dessa avaliação. A seguir, elaborado pelo DDE e

DOGT, o ponto de situação da evolução sobre lojas de média superfície e os 5 projectos com

intenção declarada de se instalarem em Évora, qual o ponto de situação em relação a cada um

deles, sendo que, de momento, nenhum se encontra em evolução.

Na reunião está presente a Prof:ª Margarida Souza Lobo, pelo que todos os

esclarecimentos pretendidos serão respondidos.

Tendo em conta que este assunto já veio por diversas vezes à reunião de Câmara, tendo

sido sempre retirado com o argumento de falta de informação, providenciou para que, em

devido tempo, a informação solicitada pela Sra. Vereadora fosse entregue, pelo que pensa

estarem reunidas as condições para que a Câmara discuta e tome uma posição clara sobre

esta matéria.

O assunto tem sido fruto de discussões internas, de discussões públicas, pelo que pensa

que toda a informação possível está reunida, sendo necessário tomar uma decisão.

A

questão, que considera simples, das anteriores retiradas do ponto da ordem de trabalhos, até

porque está perfeitamente espelhado nas actas.

Esperando que o assunto fique arrumado de vez, tem que fazer o relato histórico. É do

conhecimento de todos que o Estudo encomendado e adjudicado à equipa da Prof.ª Barata

Salgueiro foi entregue em Julho de 2007. A Câmara foi informada, na reunião de 10 de Julho

de 2007, tendo o Sr. Presidente sugerido

densos, sugeriu que o mesmo fosse agendado na próxima reunião de Câmara, para que a

Câmara se pronuncie sobre o assunto.”

conhecimento à Camarada entrega do Estudo. Na reunião seguinte, o assunto não foi

agendado. Seguiram-se as férias. Na primeira reunião pós férias, no dia 12 Setembro, a

equipa e a Sr.ª Prof.ª Teresa Barata Salgueiro fizeram a apresentação e o Sr. Presidente

terminou assim

muito aprofundada prévia à deliberação, que se terá que tomar sobre esta matéria.”

 

110

O momento seguinte foi em Fevereiro de 2008, quando foi recordado ao Sr. Presidente,

pelo Sr. Vereador António Dieb, a falta de resposta a questões levantadas na única reunião

interna que aconteceu sobre o Estudo. Foi consensualizada a necessidade de ter dois

documentos – o ponto da situação dos projectos em curso, os que foram alvo do estudo da

Prof.ª Teresa Barata Salgueiro; e como o Estudo foi reconhecido por todos como um

documento bom, com conclusões aceitáveis, foi acordado que estas fossem retiradas para um

documento normativo.

Em Maio de 2008, o Sr. Presidente agendou a seguinte proposta

do Estudo de Avaliação dos Impactos dos Centros Comerciais na Cidade de Évora”

nessa mesma reunião, o Sr. Presidente disse

aprovação um estudo...”

 

Nesta reunião, verificando-se a ausência do Sr. Vereador António Dieb, a bancada da

CDU, por sua iniciativa, sugeriu a retirada do ponto, por considerar que, pela importância do

assunto, toda a Vereação deveria estar presente. Todos concordaram. Na reunião seguinte, o

Sr. Presidente agendou o assunto e novamente o Sr. Vereador António Dieb não esteve na

reunião. O Sr. Presidente sugeriu que, pela mesma razão da reunião anterior, o ponto seria

retirado. Todos concordaram novamente e o ponto foi retirado.

Em 12 de Junho, o ponto voltou a ser agendado e o Sr. Vereador António Dieb esteve

presente, e é o próprio Vereador António Dieb, alegando e recordando a falta de informação

já solicitada, que pede que o ponto seja retirado.

Em 23 de Julho, vem novamente o ponto à reunião, com os mesmos anexos, com o

mesmo título. Novamente, em nome da bancada da CDU, propõe-se que o ponto seja

retirado, pois para além do título e linhas orientadoras, explicou por escrito, como o Sr.

Presidente sabe, que não correspondia às expectativas do documento falado, continuando a

faltar o ponto de situação dos empreendimentos. Até este momento, todos as solicitações

para que o ponto fosse retirado foram razoáveis.

Gostava que esta fosse a última vez que a bancada da CDU deixasse de ser catalogada de

estar a propor a retirada do assunto, com o objectivo de atrasar uma decisão.

Agradeceu a informação complementar do Sr. Presidente e ficou tranquila. Tentou

analisar ao pormenor a documentação, em especial a matriz, tendo analisado com particular

interesse o único projecto que está licenciado comercialmente, o projecto inicial da Guedol,

que neste momento já não é Guedol, mas sim EVERET. Este processo deve ter uma análise e

leitura diferente, pois é diferente de todos os outros por ser o único que está aprovado.

Ao ler a informação prestada, no que se refere à informação da Direcção Regional de

Economia, é dito que o projecto já não vai ser executado. Na coluna das observações é

referido que o projecto apresentado pela Guedol foi arquivado, por força da intenção de

apresentação de novo projecto, com maior qualidade, pela EVERET.

Esta informação da DRE diz que o único projecto que havia licenciado morreu, porque o

actual promotor terá a intenção de o modificar de tal maneira que fica sem efeito, pelo que

não pode utilizar a licença.

Ao deparar-se com esta informação, tentou obter mais dados para perceber, porque a

informação não fazia sentido, principalmente porque, em Junho, o actual promotor do

investimento solicitou uma reunião com os Vereadores da CDU e em nenhum momento

mostrou intenção de abandono ou de pôr em risco a licença que estava autorizada, antes pelo

contrário.

Num primeiro contacto com o DDE, e posteriormente com DRE, percebeu que a

informação não é correcta.

Em contactos posteriores com o promotor, percebe-se que está no activo, autorizado e

pronto a começar as obras. Em seguida, deu conhecimento de que, segundo informações dos

serviços da CME, na passada segunda-feira, o promotor entregou nos Serviços da Câmara

uma alteração ao projecto de arquitectura, o que dá provas da intenção do promotor, que não

é de abandono, bem pelo contrário. Estes promotores salvaguardam tudo, não estando a

111

trabalhar com desconhecimento de causa. Pensa que estas notas eram importantes para se

perceber que a realidade que existia, e era conhecida, se mantém. Dos projectos em análise,

continua a haver um que se distingue dos restantes, pois é o único autorizado.

Dos esclarecimentos facultados pelo Sr. Presidente relativamente à decisão que deve ser

tomada hoje, congratula-se pela clareza, pois assim irá ganhar-se muito tempo na discussão,

sendo uma decisão rápida. O que é apontado pelo DDE, que não é mais do que uma cópia

das conclusões do Estudo, é claro – que Évora tem potencial e que ganhará com um único

empreendimento, que já existe (pois se está licenciado, existe).

É dito nas conclusões que

favorável da autarquia”.

esquecer ou fazer de conta que o mesmo não existe. O mesmo é dito em relação ao

documento produzido pela Prof.ª Margarida de Souza Lobo, que obviamente concluiu no

mesmo sentido, de que apenas um projecto deve merecer parecer favorável. A localização de

um segundo projecto tem as ressalvas bem detalhadas no Estudo.

Estão de acordo em dar parecer favorável a um empreendimento que já existe e é o único

licenciado, ou seja, o empreendimento da ex-Guedol, actualmente da Everet.

A

sabe ler ou as leituras são outras.

Há questões que não estão salvaguardadas. O espaço que a Sra. Vereadora Jesuína referiu

não tem a ver com as recomendações do Estudo da Faculdade de Letras, pois este estudo

recomenda o Centro Histórico ou, em alternativa, o máximo de 15 minutos a pé do Centro

Histórico. O PITE não está a 15 minutos a pé do Centro Histórico. Por esta razão, a leitura

do Estudo não está a ser feita de forma clara. A continuidade desse espaço não está contida

nas recomendações.

O

situação que nada mais se iria decidir sobre o assunto dos centros comerciais, se não houver

o cuidado de esclarecer algumas premissas.

O que a Sra. Vereadora Jesuína Pedreira disse é que a conclusão essencial que se retira do

Estudo é um com o qual se concorda e já existe, com informação adicional.

A Sra. Vereadora Filomena Araújo disse exactamente a mesma coisa, existe um, mas não

tem as outras condições.

Assim, nunca mais se chega ao fim.

É evidente que não estão nesta reunião, nem nas anteriores, os elementos solicitados ao

Sr. Presidente, nomeadamente na reunião de 5 de Novembro de 2007, pois se estivessem, um

conjunto de dúvidas que existem, não existiriam.

Hoje veio decidido a votar a favor ou contra. Pensa que ou se esclarecem as coisas ou

então não vale a pena continuar.

Nesse sentido, começou por dizer que o conjunto de informação que está junto à proposta,

valorizou-a, mas não é isso que tem que aprovar, nem sobre ela que tem que fazer qualquer

tipo de consideração. Quer o trabalho que a Prof.ª Margarida Souza Lobo fez, que agradece e

que lhe ajudou, quer a síntese do DDE do Estudo, nada tem a ver com a deliberação. Não

pode deliberar sobre o primeiro trabalho, porque não corresponde ao total das conclusões, e

não pode deliberar sobre o texto da Prof.ª Margarida Souza Lobo, porque para além de falta

de cortesia da sua parte, não é isso que lhe é pedido.

A ambiguidade do texto da proposta diz, no seu ponto 5:

adjudicado, tendo apresentado um relatório de Progresso, um Relatório Final e um Sumário

Executivo, cujos conteúdos são para apreciação e deliberação de aprovação”

depois imensas coisas fundamentais.

112

Concorda com as conclusões do Sumário Executivo, sentiu-se satisfeito, pois uma parte

do que disse, em tempos, tem validação técnica credível e a outra parte enriqueceu o seu

pensamento.

Fez pequenos resumos sobre as insuficiências mais chocantes

apenas tem potencial para acolher um empreendimento de influência regional, uma vez que

dificilmente terá capacidade para acolher o segundo sem pôr em causa o equilíbrio do

aparelho. Assume particular relevância a escolha do projecto que serve os interesses da

cidade. Uma segunda unidade, embora pouco aconselhável, poderá ser possível no

tempo”…

 

Depois vêm as crises, ao afirmar-se

importância para que os empreendimentos possam desempenhar com sucesso um papel

relevante e de regionalização económica do centro, nenhum dos projectos objecto do estudo

é o ideal para a cidade

primeira questão é que, apesar de mau, tem licença. E agora, que fazer? Como vai ser a

indemnização?

Mas continua

da cidade…”,

social de influência regional pode ser vantajosa para Évora, a localização em termos de

impactos que pode gerar na cidade é neutra, as externalidades negativas podem ser

minimizadas se os comerciantes mais visados investirem na modernidade, é preciso a

Câmara estabelecer parcerias com os agentes privados…”

 

Seguem-se recomendações: um projecto apenas; pesquisar na cidade alternativas, se não

for no centro as dotadas de maior centralidade; preferencialmente o centro da cidade ou a 15

minutos da Praça do Giraldo a pé; única alternativa, a Porta de Avis; não se deve confinar a

distância absoluta ao centro, deve pensar-se no espaço socialmente construído, declive

topográfico, amenidade ambiental, interesse arquitectónico, dimensão e plurifuncionalidade

devem ocupar lugar de destaque, sendo fundamental que o novo equipamento se assuma

como referência de bandeira da cidade, que tenha preocupações arquitectónicas marcantes e

esteja previsto para desempenhar esta função sendo uma oportunidade a aproveitar através

do Programa POLIS; fazer uso da arquitectura e das ambiências recriadas no interior do

espaço, etc, etc, as contrapartidas do investidor para animação e recuperação do Centro

Histórico. Todas estas coisas merecem a sua aprovação.

Está disponível para aprovar as conclusões do Sumário Executivo, mas o facto de

considerar adequadas as recomendações que resultam do estudo, nos seus documentos

físicos, não deve ser entendido, por ninguém, como estar a aprovar mais um, dois ou três

centros comerciais.

Tem muitas dúvidas que, em face dos documentos que o Sr. Presidente apresentou, se

consiga chegar a bom porto, porque vê a questão da Guedol e receia que a Câmara se esteja a

meter num aborrecimento. Mas há mais situações que o levam a dizer que, sob várias formas,

será preciso ponderar o investimento possível sobre um centro comercial de âmbito regional

com proximidade ao Centro Histórico, articulado com este, depois de analisados os impactos

de tudo o que está listado e a decorrer em fase final de análise.

A

porque sabe que a Sra. Vereadora Filomena sabe ler, solicitou que a Sra. Vereadora relesse o

que referiu, em relação à localização, pois diz o Estudo

primordial importância para que os investimentos possam desempenhar com sucesso o

papel de alavancas na regeneração económica do centro, nenhum dos projectos objecto de

avaliação neste estudo é ideal para a cidade, porque a distância impede que funcionem

como ancora de área central, favorecendo a sua revitalização…”.

referido que tudo que fique a mais de 25 minutos não é ideal.

113

Mas, porque é preciso ler tudo e não apenas partes, analisando a realidade em estudo, ou

seja, os 5 projectos, diz o Estudo

comércio do centro da cidade, sobretudo para os ramos orientados para a oferta de bens de

aquisição ocasional. No entanto, há vários factores que nos permitem relativizar os

prováveis impactos destes empreendimentos sobre o tecido tradicional entre os quais se

destacam ….”

para o estudo já com uma realidade instalada no terreno, isto é, um empreendimento

licenciado e mais 4 em análise. Esta realidade não pode ser esquecida. Relembrou as,

preocupações do Sr. Vereador Manuel Melgão na última reunião, em relação ao projecto da

SONAE, quando disse não compreender porque se sugeria, mais uma vez, que este ponto

fosse retirado. Na sua intervenção disse que havia alegações que começavam a ser

complicadas, como era a suspensão do projecto da SONAE, que se arrastava e que era

necessário tomar uma decisão. Já existem coisas no terreno, é preciso encontrar soluções

para a realidade que já existe e adaptá-la o mais possível às recomendações dos especialistas.

Sugeriu, ainda, que a Sra. Vereadora Filomena Araújo voltasse a ler as recomendações na

parte em que dizem

dos centros comerciais é imprescindível que o processo de decisão tome em consideração

um conjunto de decisão que são elencadas…”,

acessibilidade e estacionamento; a cidade tem que ser dotada de regulamento de cargas e

descargas. No capítulo da habitação e serviços diversos, é dito claramente que é

indispensável manter no centro importantes fontes de emprego e serviços, que obriguem à

deslocação de utentes, como nomeadamente a Câmara de Évora, que deslocalizou serviços

para o PITE.

Deve ler-se tudo para se ser coerente com o que se diz.

O Sr. Vereador António Dieb referiu uma evidência: há um centro comercial, goste-se ou

não, há uma licença passada, o que fazer com essa licença e como é que se vai dizer que essa

licença deixou de existir?

Gostava de perceber quais as responsabilidades da Câmara a vários níveis, que a Câmara

irá ter que assumir. Em relação às discussões públicas, este assunto já foi abordado

publicamente algumas vezes, mas apenas ouviu o Sr. Presidente dar nota da intenção de um

eventual centro comercial a nascer algures, numa zona mais apetecível.

O

o interesse da defesa municipal, desde que as suas decisões estejam a coberto da lei,

perfeitamente assumidas no âmbito das suas decisões e desde que sejam decisões públicas.

O único interesse que defende é o interesse municipal, não quer com isto dizer que

alguém esteja a defender outro. Mas, vendo por este prisma, algumas das coisas ditas não

correspondem à realidade.

Está licenciado um projecto físico de arquitectura e de especialidades que o promotor

disse não estar interessado em levar para a frente. Pode querer outro, como ontem lhe

chegou, por meio de fotocópias de um outro projecto. O que está licenciado, o promotor não

gosta dele, e disse que não tinha qualidade. A prova de que isto é verdade é que apresentou

outro projecto, que em termos de leitura de conjunto apresenta soluções perfeitamente

diferentes das que estavam na disposição, na organização do espaço, na ocupação e nas

finalidades do espaço, no perfil e na arquitectura, pelo que o projecto não está licenciado. O

que está licenciado é outro projecto. Existe uma autorização da Direcção Regional de

Economia para o licenciamento, mas isso não é da competência municipal.

Durante muito tempo, a Junta Autónoma das Estradas foi acusada, com razão, de fazer o

ordenamento do território em Portugal, sem sequer consultar os municípios. O Alentejo ficou

a coberto dessa tendência, porque as Câmaras do Alentejo, a seguir ao 25 de Abril,

assumiram essa responsabilidade, e por algum motivo foi aqui em Évora aprovado o

primeiro Plano Director Municipal e os seguintes no Alentejo.

114

Mas esse tempo passou. Esta competência não pode deixar de ser dos municípios para

passar a ser dos centros comerciais.

Tal como todos os estudos concluem, também concorda que é melhor para o

desenvolvimento urbano haver uma rótula de ligação entre a cidade histórica e a cidade da

zona dos Leões, que é uma superfície que será capaz de polarizar sem contundir com o

centro histórico.

Tem obrigação de defender o interesse público e fá-lo-á em qualquer lado.

Acredita que a solução proposta pelo antigo empreendimento da Guedol pode vir a ser um

empreendimento comercial, tal como já disse aos promotores, mas não é com certeza um

centro comercial de âmbito regional. Não pode ser por várias razões naquela localização,

pois todos os estudos indicam que Évora precisa de um centro comercial que tenha uma área

de influência que se aproxime de meio milhão de pessoas, e naquele local não pode ser, pois

não tem espaço, não tem visibilidade nem localização para servir a cidade com promoção e

captação de interesses externos.

Não pretende coarctar investimento, nem a criação de postos de trabalho; pelo contrário,

pretende criar condições para o desenvolvimento urbano, para a satisfação das necessidades

da população, população que necessita de um centro comercial de âmbito regional e de

outros motivos para a sua dinâmica económica.

As informações referidas pela Sra. Vereadora Jesuína Pedreira dizem respeito a

conclusões para um centro comercial de âmbito regional. O projecto que a Sra. Vereadora já

tem conhecimento de ter entrado na Câmara na segunda-feira e que o Presidente e o

Vereador do Pelouro não têm esse conhecimento, terá o seu tempo de apreciação.

No âmbito das suas competências, não deixará de defender as suas opiniões. Este assunto

terá que ser rapidamente decidido. No anterior mandato, o projecto foi aprovado, porque não

havia alternativa, porque junto à muralha não havia um palmo de terreno. Mas por acaso,

quer o Ministério da Justiça, quer a Universidade, desistiram da negociação que tinham com

a Câmara em relação aos terrenos junto à muralha. Então os Estudos – quer o dos impactos

dos centros comerciais, quer os estudos urbanísticos, quer o PP dos Leões – apontam na

localização junto da Porta de Avis.

Neste momento, a Câmara tem todas as condições para a concretização dos estudos, pelo

que se sente disponível para levar a ideia até ao fim. Entende ser ali o local em que a Câmara

deve licenciar um centro comercial de âmbito regional.

Noutras localizações podem desenvolver-se projectos de natureza comercial e mista que

cumpram as expectativas dos promotores e de todos os que legitimamente o desejam.

Mas é bom não esquecer que a cidade e o comércio estão a ser prejudicados por não haver

um centro comercial.

A Guedol teve mais de um ano a licença emitida sem que concretizasse o início das

obras, o que constituiu um prejuízo para a cidade.

Quando neste mandato se decidiu suspender a apreciação de mais projectos, já o projecto

da Guedol estava aprovado, ficando essa suspensão a aguardar a produção de todos os

estudos. O projecto da Guedol caiu, caiu a Guedol e o seu projecto, pois comparando o

projecto da Guedol com o projecto agora entregue, não tem nada a ver com o que está

aprovado.

A Câmara não pode aceitar um projecto aprovado, quando o que lhe é apresentado é

completamente diferente do que inicialmente lhe foi apresentado.

Percebeu, na intervenção do Sr. Vereador António Dieb, que estava de acordo com as

conclusões do Estudo, mas não está é de acordo com a forma como os Serviços tratam essa

informação e a propõem à Câmara.

Concorda com as conclusões dos Serviços, pensa que transcreve o fundamental – as linhas

de orientação e as conclusões fundamentais.

É necessário tomar uma decisão no sentido do interesse da cidade, a coberto da legalidade

da Câmara Municipal. Pensa que é a forma de colocar um ponto final e dizer claramente que

115

centro comercial de âmbito regional haverá apenas 1, numa localização resultante dos

estudos em apreciação; sobre outras iniciativas comerciais, grandes centros comerciais, que

demonstrem qualidade, que cumpram funções essenciais para a cidade não tem nada a opor.

Terminou, reafirmando mais uma vez que, em nome do interesse municipal, no sentido de

não deixar que a situação se prolongue por mais tempo, em nome do mais rapidamente

possível a cidade disponha de competitividade aumentada com a instalação de um

equipamento deste tipo, é chegada a altura de cada um assumir as suas responsabilidades e

votar em consciência sobre o que considera ser a defesa do interesse municipal.

A

motivação, bem como acredita ser a motivação de todos, é a defesa do interesse municipal.

Quando faz referência a qualquer promotor, seja qual for, é exclusivamente para referenciar

melhor os projectos.

Pensa que não deveria ser necessário referir desta maneira a questão. Mas assim fica

melhor.

Na sua perspectiva, não se está a tratar de opiniões, pois não é especialista na matéria e já

disse aceitar as conclusões e tudo que é referido pelos especialistas. Não se atreve a entrar

por caminhos de classificar o que é ou deixa de ser de âmbito regional. O Sr. Presidente, na

sua afirmação, diz que o projecto que se encontra licenciado não é de carácter regional. Não

sendo especialista na matéria, regula-se pelos especialistas em quem reconhece qualidade, e

é o próprio estudo da GECI, que em determinada altura, diz que das 3 unidades principais em

avaliação e que partilham em comum as características de empreendimento de dimensão

regional, apenas o Évora Fórum é empreendimento novo de raiz. Os 3 empreendimentos

referidos são o Évora Fórum, o Fórum Évora e o Modelo. Esta é a classificação clara, por

quem é especialista na matéria, que classificam de âmbito regional, o empreendimento que o

Sr. Presidente diz não ser.

O Sr. Presidente deve saber que não há nenhuma regulamentação que diga quais as

características que determinam qual o estabelecimento que é de âmbito regional e qual não é.

Há, sim, recomendações, sendo uma das sugeridas pelo Observatório do Comércio, que

compreende determinados parâmetros para guião do que deve ser considerado âmbito

regional, porque cada realidade é uma realidade.

O Sr. Presidente estava a misturar conceitos. O licenciamento do projecto é uma coisa e o

licenciamento comercial é outra, são coisas completamente diferentes. É óbvio que se o

projecto entrou na segunda-feira, não pode estar licenciado, mas o licenciamento comercial

está autorizado. Em função da área, a lei é clara, é nesse momento que entram as comissões

de âmbito regional ou não. Mas não são essas questões que determinam se o

empreendimento é ou não de âmbito regional. Essa é a fase de autorização e nada tem a ver

com o âmbito regional.

O Sr. Presidente referiu também que outras cidades o fizeram, e lembra sempre Leiria,

que seria a situação ideal, mas não é isso o que se passa em Évora. Leiria tinha várias

solicitações e antes de ter qualquer aprovação, fez um estudo e adoptou a solução da maneira

que bem entendeu, mas a partir de uma situação zero, bem diferente de Évora, quer se queira,

quer não.

Concorda com o Sr. Presidente de que o estudo é claro, que todas as recomendações são

claras, que Évora tem dimensão, terá apetência e terá a ganhar com um centro comercial de

âmbito regional, que já existe.

O

consegue ver o que a Sra. Vereadora Jesuína Pedreira diz. Apenas consegue ler que a

localização de qualquer destes empreendimentos impede que possam servir de locomotiva na

revitalização do centro da cidade, sendo recomendável dotar a cidade de alternativas de

maior centralidade, pois apenas estas darão a possibilidade, aos consumidores, de ver neste

116

empreendimento um espaço complementar ao centro da cidade e, por isso, referenciam este

nas suas práticas de abastecimento e lazer. Reúnem estas condições, na cidade de Évora, os

seguintes espaços: dentro da cidade, Portas de Avis, 15 minutos a pé, etc, etc. Se o estudo

tivesse concluído que o centro no PITE, que ainda é uma miragem, reunia estas condições,

teria dito que já havia 1 centro e que apenas se defendia um. Mas o estudo diz que, dos que

estavam em avaliação, nenhum deles cumpria, pelo que sugere que se arranje uma nova

localização, mais consentânea com a lógica subjacente à defesa do centro da cidade e do

Centro Histórico, fazendo-se então um de âmbito regional.

Respeitando a posição da CDU, não consegue perceber porque é que os projectos, quando

foram propostos para aprovação, tiveram a rejeição da CDU. É que agora são outros, a

posição é outra e as realidades são diferentes.

O

mais que um, pois o Supermercado Modelo-SONAE tem uma autorização do Ministério da

Economia para expandir a sua loja; o Feira Nova tem uma autorização do mesmo tipo; a

Moviflor tem uma autorização do mesmo tipo e nenhum deles construiu.

Não há nenhum, mas poderia haver se, na altura, a Guedol, que tinha uma licença

comercial e tinha a aprovação do projecto de arquitectura, em 2004/2005, ainda não havendo

a decisão da Câmara de suspender a decisão sobre os mesmos. Nesta altura Évora teria um

centro comercial há 5 anos e então, sim, poderia dizer-se que existia um. Neste momento,

não se pode dizer que exista um.

A

da Câmara, começou por dizer que o processo do Fórum Évora do Feira Nova não reuniu

condições para ir à Comissão Regional de Licenciamento Comercial, pelo que foi encerrado

e arquivado; o Modelo foi encerrado e arquivado por não reunir condições para ir à

Comissão Regional de Licenciamento Comercial; o Figueiras Retail Park teve decisão

desfavorável da Comissão Regional de Economia, foi encerrado e arquivado; a Moviflor não

deu entrada ao projecto e a DRE recebeu o pedido de autorização do promotor, que está em

apreciação.

Não percebe como se pode concluir que, desta leitura, não há um, mas mais que um.

Concorda que já chega de discussão e que cada um assuma as suas responsabilidades.

O

a intenção e conseguiram, junto do Ministério da Economia, a dispensa de serem novamente

presentes à comissão, o que motivou uma queixa por parte da Guedol, tendo a queixa sido

considerada não procedente. Neste momento, o Ministério da Economia não aceita, porque

havia deslocalização do projecto.

A SONAE tem o projecto entrado na Câmara para expandir a loja Modelo e o Feira Nova

para expandir a loja. Quanto à Moviflor, não tem conhecimento do ponto da situação.

Apenas diz que não se pode dizer que existe o que tem apenas aprovação da Direcção

Regional de Economia. Isso não é suficiente para que se diga que existe, tal como também

não é suficiente dizer que existe, se tiver apenas a aprovação da Câmara em termos de

licenciamento urbanístico.

O

possibilidade de se ter meia dúzia de minis centros comerciais.

Afirma não se sentir em condições de votar, porque o corpo da proposta diz

aprovação das linhas de orientação estratégicas decorrentes do estudo de Avaliação dos

Impactos dos Centros Comerciais na Cidade de Évora, promovido pela Câmara Municipal

de Évora e produzido pela GECIC – Grupo de Estudos Cidade e Comércio da Faculdade de

Letras da Universidade de Lisboa.”

117

tem decorrido em termos de ser um ou muitos centros comerciais e se fica próximo do

Centro Histórico ou longe do Centro Histórico, não são orientações estratégicas, e

principalmente, não é isso que diz o título. Isto não vota.

O que está no documento não vota. Vota o Sumário Executivo do Estudo, pois o estudo é

muito bom, as conclusões são muito boas. É o número das infra-estruturas, a sua localização

na proximidade do Centro Histórico, as exigências arquitectónicas para aprovação de um

projecto que venha a surgir, são as contrapartidas em termos de recuperação e animação do

Centro Histórico que o promotor tem que apresentar em concorrência directa com outros. É

um mix comercial, a plurifuncionalidade dos espaços. O que está revertido nos papéis do

DDE, que está sintetizado no corpo da proposta, não irá votar, ainda mais quando é um dado

adquirido que é nas Portas de Aviz, porque as outras estão fechadas.

Acredita que pode ser arriscado estar a aprovar as linhas de orientação estratégicas

decorrentes do estudo de Avaliação dos Impactos dos Centros Comerciais na Cidade de

Évora, o Relatório Final, o Sumário Executivo realizado pela GECIC, mas ou vota isto ou

não vota nada. Passado um ano de impasse, ou vota isto ou não vota.

O

Vereador se propõe votar, propôs que fosse retirado do documento, a votar, a síntese

elaborada pela DDE, substituindo-se a síntese pelo Relatório Final Executivo, ficando a

proposta com o seguinte título:

decorrentes do estudo de Avaliação dos Impactos dos Centros Comerciais promovido pela

Câmara Municipal de Évora e produzido pela GECIC – Grupo de Estudos Cidade E

Comércio da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa”.

mantém-se, da página 1 à página 11

substituindo-se pelo Sumário Executivo do Relatório Final.

O

relatório produzido pelo Director do DDE não é desfavor em relação ao mesmo, mas apenas

por enriquecimento de informação com o outro.

Relativamente ao facto do documento da Prof.ª Margarida Souza Lobo não resultar do que

se está a aprovar, tendo em conta a qualidade do documento e por deferência para com os

créditos da autora, aceita que o mesmo integre a proposta.

A Câmara deliberou, por unanimidade, aprovar a proposta dos Serviços, substituindo o

parecer do DDE pelo Sumário Executivo do Relatório Final.

 

Declarações de Voto:

Vereadora Jesuína Pedreira:

alterações foram as conclusões (não se trata de opiniões nem de interpretações pessoais),

claras e concretas resultantes do estudo e passo a referir algumas em concreto, do Sumário

Executivo:

- Pág. 11 do Sumário Executivo – Atendendo à oferta da Cidade e ao potencial de consumo

actual e estimado para o futuro próximo, de acordo com os resultados do modelo de estado, a

cidade de Évora tem potencial para acolher 1 (um) empreendimento de influencia regional,

sem por em causa o desenvolvimento sustentável do tecido comercial do Centro Histórico;

Acabámos de aprovar um estudo, que refere, na mesma página do Sumário Executivo –

aprovar apenas 1 (um) empreendimento significa em grandes linhas estratégicas reduzir

conflitos na cidade e assegurar o desenvolvimento equilibrado do sistema comercial;

Acabámos de aprovar um estudo que refere que uma vez que a cidade de Évora

dificilmente conseguirá acolher mais do que um novo empreendimento comercial de

influência regional sem por em causa o equilíbrio do aparelho comercial actual, assume

particular relevância as escolha do projecto que melhor serve os interesses da cidade,

118

apontando inclusivamente de entre os projectos em curso, qual o mais favorável em termos

de melhor salvaguardar os impactos sobre o Centro Histórico;

Acabámos de aprovar um estudo que refere nas páginas 16 a 17 do Sumário Executivo,

que sendo a localização um factor de primordial importância para que os empreendimentos

possam desempenhar com sucesso o papel de alanca na regeneração económica do centro,

nenhum dos projectos objecto de avaliação neste estudo é ideal para a cidade, porque a

distância impede que funcionem como ancoras da área central, recordando os projectos que

estão em análise, e que foram objecto de análise neste estudo – Évora Fórum do promotor

Guedol; ampliação e deslocação do centro comercial Modelo da SONAE; Fórum Évora

ampliação do Feira Nova; Figueiras Retail Park na zona do MARE; e Retail Park da

Malagueira na imediações do Feira Nova. Continua referindo que uma localização mais

central seria mais benéfico para o comércio da cidade, no entanto há vários factores que

permitem relativizar os prováveis impactos destes empreendimentos sobre o tecido

empresarial, sendo elencados alguns que não cabe detalhar;

Acabámos de aprovar um estudo e orientações estratégicas que referem claramente que no

sentido de mobilizar o potencial de modernização e requalificação dos centros comerciais, é

imprescindível que o processo de decisão tome em consideração um conjunto de condições,

que contemple a intervenção no centro da cidade, das quais destaco as seguintes: fixação de

ancora no centro da cidade, aumento da oferta de estacionamento, implementação de um

regulamento de cargas e descargas para além da componente habitacional a manutenção de

importantes fontes de emprego no centro da cidade, nomeadamente serviços públicos, como

sejam os serviços da Câmara que foram deslocalizados para o PITE;

Acabámos de aprovar um estudo que refere claramente que os impactos negativos dados

por estes empreendimentos poderão ser minimizados, apontando ainda algumas formas em

que o Município poderá ter papel fundamental de mediador e regulador.

Foi neste quadro que assentou o nosso voto de concordância. Que fique claro que a

decisão agora tomada e o nosso voto assentou sobre os pressupostos que levaram à

realização deste estudo e sobre as conclusões nele expressas. Que fique claro que a decisão

tomada assenta sobre estes pressupostos e quaisquer outras intenções e outras opções que

venham a ser tomadas, para além da realidade existente, serão da exclusiva responsabilidade

de quem as tomar e não têm a ver com a votação que acabou de ser feita.

 

Vereador António Dieb:

mandato, relativo ao investimento em grandes superfícies comerciais, centros comerciais do

Concelho de Évora, tal como então referimos, foi iniciado sem a devida cautela, sobre os

impactos no concelho e em particular sobre o Centro Histórico de Évora.

Falava-se na altura de 5 investimentos desta natureza, como se isso fosse possível. Sem se

ponderar adequadamente a sua localização.

Congratulamo-nos com o facto de a Câmara Municipal de Évora ter aceite por

unanimidade a feitura deste Estudo de Impactos que agora foi sujeito, nas suas conclusões e

recomendações, a análise, tendo assim dado prova de querer verificar, ponderar e

eventualmente corrigir o processo antes iniciado.

Saliento que queremos potenciar este investimento no sentido de fortalecer a base

económica de Évora, ajudar a preservar o Centro Histórico, dar qualidade de vida às

populações, no sentido de maior alternativa e complementar e articular o comércio

tradicional pelo papel social que o mesmo tem na valorização da nossa identidade.

Os centros comerciais são formas, como outras, de organizar negócio, pelo que é

necessário tirar o melhor partido deste investimento.

Destacamos ainda a necessária correcção dos investimentos inicialmente previstos, na sua

proximidade ao Centro Histórico, prolongamento do centro Histórico, apenas 1 (um)

investimento de âmbito regional, qualidade arquitectónica exigível ao projecto que venha a

surgir ou projectos, contrapartidas reais, financeiras de actividades ou outras para o concelho

119

em termos de animação e recuperação do Centro Histórico e propostas concretas de

articulação com o comércio tradicional, nomeadamente o localizado no Centro Histórico,

sem prejuízo de outros.

Aprovar um conjunto de recomendações técnicas que resultam de um estudo que

verificámos adequado, não significa desde logo, aprovar projectos de investimento. Temos

que verificar as proposta de contra-partida para o concelho em termos das várias valência

possíveis e temos ainda que apurar quais os compromissos já assumidos e as consequências

para o Município, dos mesmos. Temos que respeitar as expectativas e procurar encontra

soluções.

Queremos tanto quanto possível fazer bem e não apenas fazer qualquer coisa.

 

Presidente da Câmara:

durante tanto tempo apaixonou e apaixona a opinião pública da cidade, e tantos debates

internos provocou na Câmara Municipal e no contacto com o tecido económico da cidade,

ter-se chegado a termo com a aprovação de uma posição que foi possível por consenso, de

que resultou a votação de aceitação, por unanimidade.

Considero de relevante importância as declarações de voto proferidas pelos Senhores

Vereadores Jesuína Pedreira e António Dieb. Revejo-me em boa parte no que disseram e que

subscrevo. Há aspectos de pormenor, como a questão da deslocalização dos serviços da

Câmara Municipal, que foi feita por absoluta necessidade, pois durante muitos anos não se

cuidou do bem-estar e eficiência daqueles serviços na forma como estavam localizados. Essa

foi a razão porque foram tomadas as medidas que, na altura, foram tomadas. Mas,

ultrapassadas pequenas questões, o fundamental das duas declarações de voto merece o meu

integral apoio, pelo que subscrevo os seus aspectos cautelares identificados.

Entendo que, com esta decisão, prestámos um bom serviço à nossa população e à nossa

cidade. Procurámos uma solução que salvaguarde os legítimos interesses da população em

geral, enquanto consumidores, que salvaguarde os legítimos interesses do comercio

tradicional instalado, que tem um histórico de desenvolvimento na nossa cidade, criando um

histórico de postos de trabalho e permitindo o desenvolvimento da economia de muitas

famílias de Évora, e contribuindo com a solução que criámos para a revitalização do nosso

Centro Histórico, através das medidas concretas e directas imputadas ao mesmo, através de

resultados indirectos que se prevêem possam resultar.

Por último, quero reafirmar que a qualidade do projecto, a sua localização, as

contrapartidas para o Município, a forma como essas contrapartidas resultarem, com claras

incidências na regeneração do Centro Histórico, no comércio tradicional e em toda a vida

urbana da cidade, são factores que me comprometo a ter em conta e não facilitar, de forma

alguma, que os mesmos sejam, em qualquer momento, postos em causa, dando instruções

aos serviços para que a apreciação técnica dos projectos e procedimentos que vierem a ter

consequências desta decisão seja sempre rigorosa, respeitando sempre as decisões desta

deliberação de Câmara, bem como as declarações de voto aqui proferidas.

 

 

Estudo de Avaliação dos Impactos dos Centros Comerciais na Cidade de Évora

publicado por barak às 21:48
link do post | comentar | favorito

Petição-Lembra-se Sr. Presidente?

Depois das declarações do Dr. José Ernesto à comunicação social, afirmando que a autarquia não é responsável pela ausência de um Centro Comercial com salas de cinema na cidade de Évora, achei por bem refrescar a memória ao sr. presidente relembrando alguns posts publicados neste blog...

 

Évora Fórum deverá abrir no início de 2007

A Comissão Regional do Alentejo Central já concedeu a licença comercial ao Évora Fórum, o que marca o ponto de partida para a abertura deste complexo comercial que deverá ficar pronto no início de 2007.Segundo informações avançadas pela empresa promotora do empreendimento, citada pelo Jornal de Negócios, os trabalhos preparatórios para a construção do novo centro vão ter início no próximo mês de Outubro, para que a sua inauguração possa ser possível dentro de ano e meio.

O projecto tem uma área bruta locável comercial de cerca de 12 mil metros quadrados, terá cinco salas de cinema com capacidade para 600 espectadores e cerca de 60 lojas. O complexo irá também dispor de um parque de estacionamento com capacidade para mil viaturas.

O empreendimento irá contribuir para a criação de 600 postos de trabalho, prevendo-se um investimento na ordem dos 30 milhões de euros.

Notícia de Setembro de 2005...

 

Segundo noticia o Diário Económico, os shoppings estão a apostar em modificações e ampliações dos espaços comerciais já aprovados para não se submeterem ao processo de autorização no âmbito do novo regime de elicenciamento comercial.

As expansões, que carecem apenas de uma autorização camarária, têm sido sido frequentes recentemente. O Diário Económico dá como exemplo a parceria entre a Jerónimo Martins e a Multi Development para ampliar o Feira Nova de Évora e transformá-lo num empreendimento composto por centro comercial e um retail park, num investimento avaliado em 70 milhões de euros. A parceria contempla ainda a expansão dos hipermercados Feira Nova de Santa Maria da Feira e de Sintra.

Também a Sonae Sierra tem, segundo aquele jornal, um projecto de modificação do centro comercial Modelo de Évora, que prevê a mudança de localização e ampliação da área de vendas já aprovada para uma área bruta locável de 19.935 metros quadrados.Muito recentemente, a Sonae Sierra inaugurou o RioSul Shopping no Seixal, que resultou da ampliação do centro comercial Continente.

Notícia de Abril de 2006

 

Apesar de existir um estudo, realizado para a C.M.Évora, que confirma a viabilidade de apenas um centro comercial de grandes dimensãoes na cidade, os investidores que já se mostraram parecem não acreditar e muito menos desistir das suas apostas na capital do Alentejo.

O futuro centro comercial Évora Retail Park conheceu esta semana desenvolvimentos, com a entrada em fase de consulta pública do Estudo de Impacte Ambiental.
Segundo o documento, estão previstos dois blocos comerciais, ocupando uma área total de 81 mil metros quadrados.
O Évora Retail Park vai ter um total de 15 lojas e 760 lugares de estacionamento, sendo o Hipermercado Feira Nova a empresa âncora.
O novo centro comercial promete captar investimento privado para o concelho, estimando criar 215 novos postos de trabalho directos.
O projecto vai nascer na Quinta do Vale Vazios, na freguesia da Malagueira, junto à estrada nacional 114.

Notícia de Outubro de 2007

 

17-mai-2007
O centro comercial previsto para a freguesia da Horta das Figueiras, em Évora, tem novos avanços, sendo que entrou recentemente em fase de consulta pública o seu Estudo de Impacte Ambiental.
Segundo o documento, o Figueiras Retail Park terá capacidade para 1000 lugares de estacionamento, sendo 740 em parque subterrâneo.
Estão previstos restaurantes, um espaço para oficina automóvel, assim como uma zona de eventos e exposições.
O novo centro comercial, que promete 771 postos de trabalho directos, pretende atingir habitantes até 30 minutos do local, num total de 74 mil pessoas.
A abertura do Figueiras Retail Park está prevista para Outubro de 2008, sendo que a empresa promotora pretende iniciar as obras durante o mês de Julho.
A sua localização será junto ao mercado abastecedor, à saída para Beja.

Notícia de Maio de 2007

 

 

Sonae Sierra apresenta o seu projecto de centro comercial e lazer para Évora

  • Novo empreendimento incorporará a actual Galeria Modelo de Évora, reduzindo assim, de forma acentuada, a pressão sobre o comércio local

A  Sonae  Sierra,  especialista  em  centros  comerciais,  tem  em  fase  de  licenciamento  a construção de um novo centro comercial e de lazer na cidade de Évora, empreendimento que representará um investimento previsto de € 60 milhões e a criação de cerca de 1000 postos  de  trabalho,  contribuindo,  de  forma  decisiva,  para  modernizar  e  aumentar  a qualidade da oferta nas áreas do comércio e do lazer em toda a região.

O futuro centro comercial e de lazer da Sonae Sierra resulta do processo de deslocalização e expansão da actual Galeria Modelo de Évora, reduzindo assim, de forma acentuada, a pressão sobre o comércio local.

De facto, do total de  95 lojas previstas para o empreendimento e distribuídas por uma área brutal locável (ABL) de 25.310 m2, apenas 65 lojas serão verdadeiramente novas e o acréscimo de área comercial criado pelo novo centro não deverá ultrapassar os 12.000 m2, muito abaixo das áreas anunciadas por outros operadores para os seus projectos na mesma cidade.

Acresce  que,  no  cumprimento  de  uma  estratégia  fulcral  para  o  sucesso  dos  seus empreendimentos, a Sonae Sierra promoverá ainda, junto dos investidores/lojistas locais, a concessão de condições preferenciais de acesso ao futuro centro comercial e de lazer. A repetirem-se os valores médios verificados noutras localidades, é de crer que também em Évora venhamos a ter 25% a 30% dos lojistas oriundos de projectos locais de investimento, quer através de marcas próprias, quer através de franchisings.

Porque se trata de um projecto assente num profundo estudo de viabilidade económica condição imprescindível a qualquer empreendimento da Sonae Sierra - e no vasto knowhow do seu promotor, o futuro centro comercial e de lazer de Évora constituirá por certo um pólo de atracção não só para as insígnias nacionais e internacionais mais prestigiadas, mas também para muitos novos visitantes das regiões limítrofes, contribuindo assim para aumentar o tráfego de potenciais clientes junto do comércio tradicional do centro da cidade.

Parque Verde com 60.000 m2 e certificação desde a fase de obra

Com abertura ao público prevista para dois anos após a concessão das necessárias licenças de construção, o futuro empreendimento vai ser implantado num terreno com uma área total de  162.000 m2, sendo que a área de implantação do edifício é de 23.500 m2. De salientar que a Sonae Sierra irá submeter a autorização camarária a construção de um Parque Verde com  60.000 m2 na zona circundante do centro, área essa especialmente destinada ao lazer dos visitantes e dos próprios habitantes de Évora.

Possuidora de uma vasta experiência espelhada na detenção de 39 centros comerciais em Portugal, Espanha, Itália, Grécia e Brasil, bem como na gestão de mais de 2 milhões de m2 de área brutal locável (ABL) com mais de 7100 lojistas que atraíram mais de 400 milhões de  visitantes  em  2005,  a  Sonae  Sierra  está  apostada  em  fazer  do  seu  futuro  centro comercial e de lazer de Évora um novo caso de sucesso, oferecendo múltiplas vantagens aos seus potenciais clientes e ao próprio comércio já instalado na região.

Para  tanto,  a  Sonae  Sierra  não  poupará  esforços  no  sentido  de  dotar  o  futuro empreendimento das condições de excelência ao nível da inovação, qualidade, segurança e desempenho ambiental que constituem a imagem de marca dos projectos da empresa.

Daí que o projecto do centro comercial e de lazer de Évora cumpra, desde a fase de concepção, os mais rigorosos critérios de qualidade e respeito pelo ambiente à luz de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) que assegurará a certificação desde a fase de obra até à fase de operação. Refira-se que o SGA da Sonae Sierra foi recentemente certificado de acordo com a norma ISO 14001:2004, facto que garante vantagens significativas ao novo centro em termos de protecção ambiental e de excelência de serviço, contributos a que os eborenses não ficarão por certo indiferentes.

Notícia de Julho de 2006

 

A Câmara de Évora vai lançar um concurso público, para encontrar um parceiro que esteja disposto a construir um centro comercial, junto à zona das Portas de Avis. Em declarações à DianaFm, o presidente da Câmara de Évora, José Ernesto Oliveira, adiantou que o objectivo desta nova localização é “ajudar a reanimar o Centro Histórico e dar apoio ao comércio tradicional”. “A Câmara Municipal vai só licenciar um centro comercial, de âmbito regional” revelou à DianaFm o autarca, adiantando que a sua localização “deverá ser o mais próximo possível do centro histórico”. Segundo o José Ernesto Oliveira, “dos projectos apresentados nenhum cumpre estes objectivos”. Por isso, o presidente do município pretende abrir um concurso público, “para identificar um parceiro, que apresente uma proposta, e respectivas contra-partidas, de construção de um centro comercial, numa localização que cumpra esses objectivos”. José Ernesto Oliveira visitou recentemente Maastricht, Antuérpia e Belfast, tendo recolhido “bons exemplos” de Centros Comerciais em zonas históricas. “Pude confirmar como é possível ter grandes e belíssimas intervenções de regeneração urbana, com este complemento de intervenções no espaço comercial”, afirmou. A Guedol, a primeira empresa interessada em construir um centro comercial, chegou a ter um projecto licenciado pela Câmara de Évora. No entanto, esse projecto foi comprado pela Imorendimento, que mais tarde, ao reestruturá-lo, perdeu o licenciamento camarário.

in Diana FM

 

Há poucos dias a Imorendimento apresentou a reestruturação do seu projecto para Évora, junto à IZI,

A própria IZI construíu naquele local pois ia ficar junto ao centro comercial e retail park, a estrada do Bº Almeirim foi recuperada para servir a área comercial e essa recuperação foi paga pela Guedol.

Agora a Imorendimento perdeu a licença???? E as infra-estruturas já construídas? E o stand-alone da IZI?Fica ao abandono?

A zona das Portas de Aviz não foi sequer apontada por nenhum dos projectos chumbados pela câmara porquê? Será porque os projectistas perceberam que a zona já é congestionada o suficiente e preferiram desenvolver os seus projectos ao longo da variante onde a acessibilidade é bem melhor??

Mas o que passa na cabeça destes governantes de Évora?????

Cada vez mais me convenço que CDU/PS/PSD todos têm a mesma visão, pensam que estão a governar uma aldeia e não a conduzir os destinos daquela que deveria ser a capital por excelência no sul do país!

Percam essa mentalidade provinciana e acordem!

Querem um bom exemplo??Olhem para Viseu! 

 

Estive a ler no site da Câmara de Évora a acta da reunião pública do dia 10 de Setembro de 2008, onde foi discutido o documento que aconselha a abertura de um único centro comercial regional na cidade...

Depois de muita conversa chegou-se à conclusão que nenhum dos cinco projectos previstos para Évora servia bem a cidade, apesar do ÉVORA FÓRUM já estar licenciado...

O executivo está a tentar arranjar meios para retirar a referida licença pois resolveram, sabe-se lá porquê, que o centro comercial deve ficar situado nas Portas de Aviz!

Numa altura em que a cidade tanto precisa de investimentos, a câmara resolve chumbar cinco projectos que iriam criar centenas de empregos!

Isto é absolutamente inadmissível!Mas o que se passa com este executivo???

Preferem acreditar em industrias aeronáuticas que não saem do papel a autorizar projectos concretos e com grande empenho dos investidores em dotar a cidade de serviços que não possui!!!!!

Estava presente na reunião o proprietário do ÉVORA FÓRUM e quero que todos vejam como o executivo trata que quer investir na cidade.

Transcrevo a conversa que é de ficar de queixo caído!Não admira que os investimentos fujam para Beja...

 

O Sr. Victor Monteiro, representante da Everet, promotor e proprietário do Centro

Comercial Fórum Évora.

Começou por realçar que o projecto da Everet é um projecto regional, de dimensão

relevante. A licença está plenamente em vigor e activa.

Em relação ao estudo, queria dizer que o mesmo confirma que apenas um centro

comercial de dimensão relevante poderá ser aprovado.

Já existe um aprovado e licenciado, como todos sabem, o Évora Fórum. Pelo que ouviu,

não deverá ser licenciado um novo centro comercial em Évora. Salientou estar muito

empenhado no projecto, considerando que o projecto, embora remodelado, está com uma

qualidade fantástica e com uma imagem internacional, cuidada e vai de encontro às

exigências que a cidade de Évora trás.

Fizeram chegar ao Sr. Presidente e aos Srs. Vereadores, não só em fotocópias a preto e

branco, mas em plantas com a devida dimensão e a cores, incluindo uma pequena maquete,

em Junho de 2008.

Reforça que todas as considerações e evolução do projecto que estava em vigor e a

remodelação das alterações, todas foram acompanhadas pelos técnicos da Câmara, e

registadas em acta com os projectistas da empresa, que acompanharam directamente com os

projectistas e técnicos da Câmara Municipal de Évora.

Tudo tem sido feito para que o projecto seja, cada vez mais, uma mais valia para a cidade.

Foi projectado um espaço bastante amplo, com projectistas de nome reconhecido

internacionalmente, e com provas dadas mundialmente, sendo um dos melhores gabinetes de arquitectura do mundo, galardoado por diversas vezes, com exemplos de centros comerciais:

Fórum Aveiro, Fórum Coimbra, etc.

Os actuais promotores reúnem agentes económicos com grande experiência neste sector

em Portugal, Reino Unido, Alemanha, Espanha, etc.

Ao nível de lojistas, por sugestão da Câmara Municipal de Évora, na remodelação foram

colocadas salas de cinema, o que vai de encontro às exigências transmitidas pelos próprios

técnicos, por serem importantes para a cidade.

O lado social está considerado, na perspectiva em que nos seus empreendimentos são

colocados circuitos gratuitos a funcionar, para que as pessoas se possam deslocar aos centos

comerciais.

O projecto foi entregue, na segunda-feira, na Câmara Municipal de Évora.

A postura da Câmara Municipal de Évora, perante os promotores do loteamento, foi

sempre de que este seria efectivamente o único centro comercial de dimensão relevante em

Évora, por apenas ser viável em Évora 1 (um) centro comercial. Também considera que é

viável apenas um único centro comercial na região.

Com base nesta realidade e postura da autarquia, os actuais promotores avançaram com

avultados investimentos, acima de 22 milhões de euros que já gastaram em Évora, prevendo

gastar ainda até 55 milhões até à abertura do empreendimento, incluindo contrapartidas para

o município, como a entrega de um dos lotes adjacente, lote 1, construção de rotunda, infraestruturas

várias, prolongamento da estrada de Almeirim entre estudos, projectos,

consultores especializados, aquisição de terrenos e construção já iniciada.

A Horta das Figueiras é o local onde se instalaram as grandes superfícies por imposição

do PDM e PU existentes à data.

Voltando ao estudo, a autora alega não dispor de elementos suficientes sobre a

caracterização arquitectónica dos diversos empreendimentos em confronto, mas a Évora

Fórum estava licenciado e encontra-se actualmente em fase de construção com um projecto

arquitectónico relevante de 1.ª qualidade. O IZI já faz parte do mesmo projecto.

Sobre o estudo dos centros comerciais, sendo representante da empresa, tem que

responder a quem de direito, pelo que perguntou ao Sr. Presidente se ia bloquear o projecto e obras de remodelação do Fórum Évora, apresentadas pela Everet, com acompanhamento da autarquia.

O Sr. Presidente da Câmara respondeu que não ia bloquear ou deixar de bloquear.

Apenas iria fazer cumprir a decisão de Câmara tomada hoje, por unanimidade.

O Sr. Victor Monteiro referiu que, na intervenção o Sr. Presidente da Câmara, disse

haver muita maneira de dar a volta às situações, que tinham licença comercial, mas não

tinham. Não entendeu o” mas não tinham”.

O Sr. Presidente da Câmara afirmou que não queria que subsistissem quaisquer

dúvidas. O Sr. Victor Monteiro acabou de dizer que entregou, na segunda-feira, o novo

projecto, isso significa que sobre o mesmo ainda não recaiu nenhuma apreciação. Não há

nenhum compromisso da Câmara em relação àquele projecto que, neste momento, está nos

Serviços. Soube apenas hoje, por informação da Sra. Vereadora Jesuína e pela informação do

Sr. Victor Monteiro, que na segunda-feira foi entregue um novo projecto. Logicamente, o

projecto que estava aprovado, caiu. Não há possibilidade de ter para o mesmo terreno dois

projectos tão diferentes.

O Sr. Victor Monteiro voltou a intervir para afirmar que há possibilidade de haver

projectos com remodelações, não um novo projecto.

O Sr. Presidente da Câmara referiu que essa posição era nova, pois em Julho disseram

que era um novo projecto. Foi dito pelos responsáveis que era um novo projecto. O que

recebeu em fotocópia, olhando para a arrumação do espaço, o outro era “U” este é em “L”, a

cobertura, o número de lojas, o acrescente do retail park, tudo prefigura um projecto novo,

tal como foi referido em Julho.

 

 

 

in OJE

 

Soube através de uma das minhas fontes que,apesar da câmara ter chumbado o Shopping que a Sonae tinha previsto para a cidade, a empresa não desistiu dos eborenses!

O actual supermercado MODELO vai duplicar a sua área comercial e passar a hipermercado CONTINENTE.

Além do hipermercado, a área vai contar também com uma SportZone, Vobis, Worten, Modalfa e Área Saúde e uma pequena galeria comercial.

Ainda que não seja o belíssimo centro projectado pela Sonae, pelo menos a cidade vai ter um espaço condigno e condizente com o seu estatuto.

Parabéns à SONAE por continuar a apostar em Évora, apesar das dificuldades que a câmara põe perante os investidores...

 

O novo Centro Comercial ÉVORA FÓRUM terá uma área total de 20.000 m2 e irá criar mais de 600 postos de trabalho. O edifício terá 3 pisos, uma cave para estacionamento interior e 2 pisos acima do solo. O espaço Comercial terá 60 lojas, representando uma área bruta locável de 16.500 m2. O Centro disporá ainda de um Hipermercado, espaços de Restauração e Zona de Lazer. Além do estacionamento na cave disporá ainda de um parque de estacionamento exterior com capacidade para 750 viaturas. Refira-se ainda que este empreendimento, que deverá estar concluído brevemente, foi vendido recentemente à Imorendimento.

 

  • Localização. Évora
  • ABC. 20.050,00 m2
  • ABL. 16.419,00 m2

Data prevista de abertura. 4º trimestre de 2009

 

 

 

Após contacto sobre a expansão do Modelo de Évora, a Sonae enviou-me a seguinte resposta:

 

É com um enorme prazer que recebemos o seu e-mail, datado de 29 de Janeiro último.

 

Como acontece em todos os municípios, a Sonae Distribuição procura ir ao encontro dos seus clientes veiculando a melhor oferta de mercado, através dos pilares: preço, qualidade, variedade e serviço.

 

Em resposta à questão concreta que coloca no e-mail que nos remeteu, confirmamos a existência de um projecto de ampliação do Centro Comercial Modelo de Évora.

Não obstante, o licenciamento comercial subjacente a este projecto ainda se encontra em curso, pelo que, na presente data, não podemos avançar com informações adicionais no que concerne o mesmo.

 

Encontramo-nos disponíveis para qualquer esclarecimento adicional.

 

Com os melhores cumprimentos,

 

Daniella Louise Bodman-Morris Castro

Sonae Distribuição, SGPS, S.A.

Planeamento e Controlo de Gestão

Ext.: 17956  Telefone: (+351) 22 956 1956

Fax: (+351) 22 956 1318

E-mail: dlcastro@sonaedistribuicao.pt

 

www.sonaedistribuicao.com

 

 

 

 

 

 

A Imorendimento, empresa que representa e gere investimentos imobiliários, vai investir 55 milhões de euros num projecto de retalho na cidade de Évora. O projecto inicial foi alterado devido ao estudo "Avaliação dos Impactos dos Centros Comerciais na Cidade de Évora", realizado pela Faculdade de Letras de Lisboa, que concluiu que a cidade tem potencial para acolher apenas um empreendimento comercial, de forma a garantir a sustentabilidade do comércio de rua e o equilíbrio com este formato comercial. O reposicionamento do projecto apresenta "argumentos que encaixam nos principais requisitos da cidade e da região expressos no estudo recentemente divulgado". A Imorendimento reformulou, deste modo, o mix comercial, o layout e o desenho arquitectónico. O empreendimento comercial engloba três formatos de forma integrada: centro comercial, um retail park e um stand alone, inseridos num total de 28 mil metros quadrados. Este projecto, redesenhado pelo Broadway Malyan, oferecerá 600 postos de trabalho e integrará uma variedade de actividades comerciais, lojas, e retalhistas. O centro comercial de 17 mil metros quadrados terá 60 lojas, um hipermercado, espaços de restauração e zonas de lazer, e está a ser estudada a inclusão de um complexo de cinemas. O retail park será destinado a lojas de grandes dimensões e o stand alone, cuja primeira fase já está em funcionamento, conta com as lojas IZI/Mestre Maco, que tem tido grande afluência de público, segundo a Imorendimento. Para este projecto a Imorendimento contou com várias parcerias, nomeadamente de players internacionais como a Resolution e Madford através da Evret, que actuaram como colaboradores ao nível do investimento. A consultora imobiliária Cushman & Wakefield foi a co-responsável pelo asset management e comercializadora do projecto.

 

 

Tenho dito!

 

 

A gestora Imorendimento reposicionou o seu projecto de retalho em Évora, depois de um estudo da Universidade Lisboa ter concluído que só existe capacidade para uma área comercial de influência, sob pena de afectar o comércio de rua. 



 

A Imorendimento, empresa que actua na gestão de investimentos e activos imobiliários, reposicionou o seu projecto de retalho em Évora, garantindo que este reúne as condições de atractividade arquitectónica e comercial, sustentabilidade, viabilidade económica e calendarização que melhor preenchem as necessidades de nova oferta comercial da cidade. 

A empresa está confiante que esta estratégia "permite afirmar o seu projecto como a solução ideal para Évora, numa altura em que a autarquia eborense aprovou, em reunião ordinária de Câmara Municipal, um estudo que aconselha o desenvolvimento de apenas um conjunto comercial na cidade". 

Realizado pelo Grupo de Estudos Cidade e Comércio da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o documento, titulado "Avaliação dos Impactos dos Centros Comerciais na Cidade de Évora", de especial importância para a definição da capacidade da cidade relativamente ao tecido comercial e em especial ao potencial de implantação de nova oferta comercial. 

O estudo conclui que a cidade tem potencial para acolher apenas um empreendimento de influência regional, sem colocar em causa o desenvolvimento sustentável do comércio de rua, principalmente no que diz respeito ao centro histórico, garantindo o equilíbrio com esta força comercial, mas trazendo igualmente uma oferta diversificada de formatos, lojistas e actividades. 

O documento cita apenas três propostas de projectos para a cidade e embora refira o projecto inicialmente apresentado pela Guedol, não considera ainda a actual solução e posicionamento definidos pela Imorendimento para o conjunto comercial adquirido àquela empresa no final de 2007. 

Na sequência desta aquisição, a Imorendimento delineou um redefinição do mix comercial, layout e desenho arquitectónico, bem como do posicionamento estratégico do projecto, incluindo o seu rebranding. Inicialmente denominado de Évora Fórum, o renovado projecto apresenta, agora, argumentos que encaixam nos principais requisitos da cidade e da região expressos no estudo recentemente divulgado. 

O conjunto comercial da Imorendimento conjuga três formatos distintos de forma integrada, oferecendo uma área bruta locável total de aproximadamente 28 mil m². Além da capacidade de abranger uma área de influência de âmbito regional, a oferta conjugada de um centro comercial (cerca de 17 mil m²), de um retail park (6 mil m²) e de um stand alone (3 mil m²) permite disponibilizar essa multiplicidade de actividades comerciais, lojas e retalhistas apontados pelo estudo e consideradas estratégicas pela Imorendimento na definição do mix comercial deste produto. Além do retail Park, destinado a uma oferta de lojas de grande dimensão, o conjunto da Imorendimento oferecerá ainda 60 lojas em centro comercial, incluindo um hipermercado, modernos espaços de restauração e zonas de lazer. Também foi considerado pelo promotor, de acordo com a sugestão de algumas forças vivas da cidade, a integração de um complexo de cinemas no centro comercial. 

Outro argumento de peso do projecto redesenhado pela multinacional de arquitectura Broadway Malyan são as linhas arquitectónicas escolhidas e a definição de todo o layout interior, estudados de forma rigorosa para atrair os consumidores da região e potenciar a sua presença no local. 

O projecto da Imorendimento é actualmente o único para a cidade com licença comercial - atribuída pelo Ministério da Economia - e na sua versão inicial devidamente licenciado pela autarquia, "tendo, por isso, vantagem em termos da capacidade e calendarização de desenvolvimento do projecto e da sua disponibilização aos consumidores", afirma a empresa. 

De grande impacto económico para a cidade de Évora, o projecto da Imorendimento permitirá criar cerca de 600 postos de trabalho, directa e indirectamente, representando um investimento directo de 55 milhões de euros. A primeira face do projecto está já em funcionamento. A componente de stand alone, explorada pela marca IZI/Mestre Maco, abriu ao público em Junho passado e regista um elevado sucesso em termos de afluência de público, confirmando a aposta da Imorendimento. 

A Imorendimento, através da SII, é responsável pela promoção do projecto, tendo como parceiros de investimento os players internacionais Resolution e Madford através do veículo criado para o efeito, a Evret. A consultora internacional Cushman & Wakefield é co-responsável pelo asset management do projecto bem como pela sua comercialização.
publicado por barak às 21:33
link do post | comentar | favorito

Évora: Oposição na Câmara de Évora reage a entrevista de José Ernesto Oliveira à DianaFm

paosdoconcelhoevr.jpgJosé Ernesto Oliveira, em entrevista à DianaFm, acusa a oposição de coligação e afirma que PSD, CDU e Bloco de Esquerda deveriam ter concorrido coligados, já que têm um programa comum. Em declarações à DianaFm, o vereador do PSD, principal partido visado nestas criticas, afirma que o presidente da câmara está a “repetir o disco" e que anda à procura de desculpas fáceis. Se não fosse o PSD, diz António Dieb, o trabalho do presidente tinha sido muito pior nos últimos 4 anos. Para o vereador da CDU, Eduardo Luciano, o Presidente da Câmara de Évora não mediu o que disse. Com presença na Assembleia Municipal, Amália Oliveira do BE, também foi visada, e classifica de “anedótica” as afirmações de José Ernesto Oliveira. Para a deputada municipal as propostas apresentadas pelo executivo camarário não são realistas.

in "Diana FM"

publicado por barak às 20:07
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Se eu fosse presidente da...

. Évora: Pais e alunos cont...

. Paulo Macedo garante anal...

. Polémica: Autarca de Évo...

. M'ar de arAqueduto. Uma e...

. Requalificação do IP8 e I...

. Évora renegociou contrato...

. Alentejo tem novo canal d...

. Évora: Embraer amplia áre...

. FAM - PCP culpa PS por mu...

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Janeiro 2014

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds